Angolana Unitel acusa Oi de pôr em causa nomeação da administração

  • Lusa
  • 26 Fevereiro 2019

A Unitel acusou a Oi, acionista da empresa, de estar a pôr em causa o procedimento de nomeação dos órgãos sociais da operadora, ao querer impor três dos cinco membros do Conselho de Administração.

A angolana Unitel acusou esta segunda-feira a brasileira Oi, acionista da empresa, de estar a pôr em causa o procedimento de nomeação dos órgãos sociais da operadora, ao querer impor três dos cinco membros do Conselho de Administração.

Numa “nota de esclarecimento”, a Unitel refere que, desde 2014, a Oi, que detém, através da PT Ventures, 25% do capital social da operadora angolana, está “a contrariar a prática e o acordo dos acionistas em vigor desde 2006”, pretendendo “nomear três dos cinco membros do conselho de administração” e “assim controlar a empresa, apesar de apenas deter uma participação indireta de 25% no capital social”, lê-se no documento.

Atualmente, o Conselho de Administração da Unitel é composto por membros nomeados por todos os acionistas, casos da PT Ventures (detida pela operadora brasileira após a fusão com a Portugal Telecom), Mercury (através da MS Telecom, participada da Sonangol), Vidatel e Geni, todas com uma quota de 25%. Para 19 de março está agendada uma assembleia-geral de acionistas da Unitel, para eleger os novos corpos sociais.

A empresária Isabel dos Santos, através da participação na Vidatel, é a presidente do Conselho de Administração da operadora, enquanto o general Leopoldino Fragoso do Nascimento “Dino”, pelo grupo Geni, próximo do ex-chefe de Estado José Eduardo dos Santos, é presidente da mesa da assembleia-geral da empresa. A Unitel é liderada por um conselho de administração composto por cinco membros — presidente, administrador geral (CEO) e três vogais.

Segundo o comunicado, durante cinco anos (2001-2006), em que esteve em vigor um Contrato de Gestão da empresa pela PTV Portugal Telecom Ventures (“Portugal Telecom”), três dos cinco membros do Conselho de Administração eram nomeados pela Portugal Telecom. Desde 2006, após a conclusão do Contrato de Gestão com a Portugal Telecom, prossegue o comunicado, cada um dos quatro acionistas da Unitel passou a indicar um membro para o conselho da administração, sendo o quinto membro um profissional independente indicado por comum acordo dos acionistas.

“O procedimento de nomeação funcionou sem oposição de qualquer um dos acionistas, incluindo a Portugal Telecom, entre 2006 e 2014, havendo três dos atuais administradores a gerir a empresa desde o início — há quase 20 anos — e foram instrumentais no seu sucesso”, lê-se na mesma nota.

Em 2015, descreve o comunicado, a Oi recorreu ao Tribunal Arbitral da Câmara Internacional do Comércio (ICC) para a resolução do diferendo com os restantes três acionistas da Unitel. “A posição unitária dos três acionistas da Unitel, representativos de 75% do capital, apresentada perante o ICC, é de que a nomeação dos órgãos sociais da empresa deve ser conforme o que vem sendo prática desde 2006 e com o acordo de todos os acionistas. Desde 2006, cada um dos acionistas passou a indicar um membro do Conselho de Administração, sendo o quinto membro um profissional independente indicado por comum acordo“, acrescenta-se.

Na nota, a Unitel refere que o atual Conselho de Administração tem apresentado “excelentes resultados”, que beneficiaram “todos os acionistas” de uma empresa “que continuou a crescer tanto na sua quota de mercado como nos seus resultados”. O comunicado é a segundo que a Unitel divulga desde o dia 20 de fevereiro, na sequência de uma ação judicial interposta 13 dias antes, 7 de fevereiro, pela PT Ventures.

Na ação judicial, a PT Ventures acusa a operadora angolana de se ter recusado a pagar dividendos pendentes, falando em valores superiores a 600 milhões de dólares (530 milhões de euros), montante que a operadora assumiu, então, ser, à data (2015), incomportável de transferir no mercado cambial angolano, e exige a nomeação “urgente” de um administrador judicial para atuar como órgão de administração da Unitel, em substituição do atual conselho,

A 20 deste mês, num comunicado, a Unitel refutou as acusações apresentadas pela PT Ventures, considerando-as “infundadas, difamatórias, incorretas e falsas”. Segundo a Unitel, a PT Ventures solicitou que o tribunal tomasse essas medidas — como a nomeação de uma administração –, “sem audição prévia da Unitel e sem aviso prévio ou consentimento dos outros três acionistas”, que, em conjunto, representam 75% do capital social da empresa.

“A Unitel refuta totalmente todas as pretensões alegadas pela PT Ventures e irá, de forma vigorosa, apresentar a sua defesa contra essas alegações infundadas e difamatórias”, acrescenta-se no comunicado, garantido que o atual conselho de Administração “pretende continuar a trabalhar para criar melhores produtos e serviços para os seus clientes, bem como para criar valor para todos os acionistas.

Para a empresa de telecomunicações, a ação judicial “é o mais recente esforço de ataque concertado e contínuo à Unitel e aos acionistas angolanos [da empresa] desde que a PT Ventures foi adquirida em 2014 pela Oi S.A.”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angolana Unitel acusa Oi de pôr em causa nomeação da administração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião