Theresa May abre a porta a votação de Brexit sem acordo

A primeira-ministra britânica diz que, se a 12 de março, o acordo for novamente rejeitado, o Parlamento poderá votar uma saída sem acordo, ou a extensão do artigo 50.

A primeira-ministra britânica abriu a porta ao voto no Parlamento a um Hard Brexit. O acordo com os termos atuais será votado até 12 de março, e Theresa May indica que, se esse for chumbado, os deputados poderão votar uma saída da União Europeia com ou sem acordo. E, se isso também falhar, e o Parlamento rejeitar uma saída sem acordo, vai a votos uma extensão das negociações.

A primeira-ministra assumiu o compromisso de levar a votos estas três opções, em declarações no Parlamento. Mas deixou claro que não defende a extensão do artigo 50, e que a intenção da oposição de apoiar um segundo referendo ao Brexit deixará o país “de volta à estaca zero”.

O voto à saída sem acordo acontecerá a 13 de março, caso os termos de May sejam chumbados, e a 14 de março segue-se a votação ao alargamento das negociações. A saída do Reino Unido da União Europeia está marcada para 29 de março, cerca de duas semanas depois destas votações.

A primeira-ministra britânica disse que uma extensão do prazo não resolveria o problema, e adiantou que está em negociações com Bruxelas, nomeadamente para encontrar outra solução para a fronteira com a Irlanda. May lembrou ainda que se estenderem a data de saída para junho, o Reino Unido teria de participar nas eleições europeias, que ocorrem de 23 a 26 de maio. “A credibilidade da nossa democracia está em jogo”, alertou May.

Theresa May deixou ainda garantias de que iria debruçar-se sobre os direitos dos trabalhadores. Deixa aberta a opção de fazer uma votação no Parlamento, sobre se o Reino Unido acompanhará a UE no sentido de aumentar ou modificar os direitos dos trabalhadores, em áreas como saúde ou segurança.

(Notícia atualizada às 13h40)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Theresa May abre a porta a votação de Brexit sem acordo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião