CTT vão enviar “dinheiro” para a sua caixa do correio. É para vender certificados

Os CTT e o IGCP lançaram uma nova campanha de promoção dos certificados, que prevê o envio de folhetos informativos para quatro milhões de casas. Promovem o "Rendimento e segurança" destes produtos.

Os CTT e o IGCP querem incentivar os portugueses a investirem nos produtos de dívida pública. Para isso, lançaram uma nova campanha promocional assente no envio “notas” para quatro milhões de casas, onde promovem as virtudes de investir nos produtos de poupança do Estado.

A empresa liderada por Francisco de Lacerda explica que se trata de “uma iniciativa que pretende recordar aos portugueses a rentabilidade e a segurança do investimento em dívida pública à venda nas lojas da empresa“, e cativar o respetivo interesse para os Certificados do Tesouro Poupança Crescimento (CTPC) e em certificados de aforro.

Para chamar à atenção dos aforradores, a campanha assenta em “criar um efeito muito visual nas caixas de correio”, como explicam os CTT. Objetivo que é conseguido com o efeito visual do folheto informativo que simula “notas” de euro penduradas no exterior das caixas do correio.

A campanha que agora arranca representa a segunda fase de uma ação iniciada em dezembro pelos CTT e pelo Estado com vista a promover os produtos de poupança públicos. A promoção do investimento em certificados acontece num ano em que o Estado prevê uma procura líquida negativa pelos certificados na ordem dos mil milhões de euros, com as Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV) a compensarem essa perda de investimento.

A previsível diminuição das aplicações em certificados insere-se num contexto em que começam a vencer os primeiros investimentos em Certificados do Tesouro Poupança Mais (CTPM). Este produto tem um prazo máximo de cinco anos, sendo que as primeiras aplicações realizaram-se há pouco mais de cinco anos. O efeito do resgate das primeiras aplicações nesse produto foram visíveis em novembro, mês em que o investimento em certificados do Tesouro registaram a primeira saída líquida de dinheiro em cinco anos.

Para os CTT, as aplicações em certificados do Estado representam uma fonte de receita, já que consoante o produto em causa — certificados de aforro, CTPM e CTPC — recebem comissões pelas subscrições ou pelos saldos aplicados pelos aforradores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT vão enviar “dinheiro” para a sua caixa do correio. É para vender certificados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião