Fisco reclama 2,2 milhões de euros à Impresa na venda das revistas. Grupo tenta impugnar

A Impresa, que vendeu a Visão e outras revistas no ano passado, está a tentar impugnar um pedido de 2,2 milhões de euros de impostos reclamado pelo Fisco. Já constituiu uma provisão.

A Impresa constituiu uma provisão de 2,2 milhões de euros para fazer face a impostos reclamados pelo Fisco e que o grupo está a impugnar na Justiça. Em causa está a venda do portefólio de revistas à Trust in News do empresário Luís Delgado, onde se inclui a Visão. Um negócio de 10,2 milhões de euros, a serem pagos até junho de 2020.

A informação não está no relatório e contas do grupo relativo a 2018, divulgado esta quinta-feira após o fecho das bolsas. Mas foi transmitida aos jornalistas por Francisco Pedro Balsemão, presidente executivo da Impresa.

“[Os resultados] foram prejudicados pela Autoridade Tributária (AT), por causa de uma provisão de 2,2 milhões de euros relativamente à venda das revistas”, afirmou o gestor. “A AT acha que temos de pagar mais este valor. Mas estamos a impugnar”, revelou, numa conferência de imprensa no novo edifício do grupo, em Paço de Arcos.

Questionado sobre o fundamento desta decisão, Francisco Pedro Balsemão explicou que a AT considerou que a Impresa estava “a gerar uma mais-valia” com o negócio. “Consideramos que não é uma mais-valia. Registámos imparidades. Não podemos estar a considerar isto uma mais-valia. Estamos a impugnar essa opinião”, frisou.

A Impresa fechou 2018 com uma inversão no resultado líquido, registando lucros de 3,1 milhões de euros. Tinha fechado 2017 com prejuízos de 21,7 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco reclama 2,2 milhões de euros à Impresa na venda das revistas. Grupo tenta impugnar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião