Dívida pública fechou 2018 em 121,5% do PIB, muito perto da meta do Governo

Informação nova sobre o PIB no ano passado permite calcular rácio da dívida pública em 2018. Resultado final ficou ligeiramente acima da meta traçada pelo Governo e abaixo da estimativa do BdP.

A dívida pública fechou o ano passado em 121,5% do PIB, um registo muito próximo da meta traçada pelo Governo mas abaixo da estimativa feita pelo Banco de Portugal a 1 de fevereiro. Novas informações divulgadas esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) permitiram apurar o valor final do rácio da dívida e verificar que o endividamento da economia e a dívida externa ficaram melhores do que as estimativas avançadas pelo banco central.

O INE publicou esta quinta-feira os dados finais das contas nacionais referentes a 2018. Além de confirmar que o PIB cresceu 2,1% no ano passado, o INE avançou com o PIB nominal – a riqueza produzida no ano passado com a inflação incorporada. Este número é essencial para calcular um conjunto de indicadores, entre eles a dívida pública.

A 1 de fevereiro, o Banco de Portugal revelou que a dívida pública fechou o ano em 244.931 milhões de euros, acima do montante do ano anterior. Na altura, o banco central não dispunha do valor do PIB nominal para poder apurar o rácio da dívida pública, mas através de uma extrapolação calculou que o rácio da dívida pública teria ficado em 122,1% do PIB.

No entanto, apesar do abrandamento da económico que se registou em 2018 face ao ano anterior, o PIB nominal acabou por sair melhor do que o banco esperava. “Em termos nominais, o PIB aumentou 3,6% (4,4% em 2017), situando-se em cerca de 201,5 mil milhões de euros em 2018”, diz o INE. Mais concretamente, o PIB somou 201.503,5 milhões de euros. É este o número que permite refazer as contas todas.

Assim, o rácio da dívida pública fechou o ano passado em 121,5% do PIB, ligeiramente acima dos 121,2% do PIB previstos pelo Executivo no Orçamento do Estado para 2019. Mas abaixo dos 122,1% do PIB que o banco central tinha estimado.

O rácio de 2018 fica abaixo do de 2017 (que ficou em 124,8% do PIB) e é o registo mais baixo desde 2011, repetindo assim o mesmo mínimo histórico que tinha sido observado em 2017.

Além disso, com estas informações mais recentes é possível recalcular outros indicadores importantes. A dívida externa ficou em 100,1% do PIB em vez dos 101,3% do PIB estimados pelo Banco de Portugal e o endividamento da economia (onde não está o setor financeiro) ficou em 355% do PIB, em vez dos 357% do PIB. O excedente externo manteve-se em 0,4% do PIB.

Apesar dos novos dados ainda não é possível saber como ficou o défice em contabilidade nacional. Isto porque o valor absoluto do défice em contabilidade nacional ainda não é conhecido. O ministro das Finanças, Mário Centeno, admitiu recentemente que o défice terá ficado num valor próximo dos 0,6% do PIB, uma estimativa que não sofreu alteração com os novos dados do INE, sabe o ECO. Este valor será conhecido a 26 de março, quando o INE enviar ao Eurostat o reporte dos défices excessivos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública fechou 2018 em 121,5% do PIB, muito perto da meta do Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião