Magistrados vão ter formação “expresso” para tornar a justiça mais rápida

Estágio de magistrados vai ser encurtado. A ideia é tornar mais rápida a colocação de novos juízes nos tribunais administrativos e fiscais de primeira instância.

O Governo vai reduzir o tempo de formação inicial para os magistrados dos tribunais administrativos e fiscais. Aprovou um decreto-lei que, na prática, vem encurtar o período de estágio de ingresso na magistratura. A ideia é tornar mais rápida a colocação de novos juízes nos tribunais administrativos e fiscais de primeira instância.

Esta iniciativa legislativa, aprovada esta quinta-feira em Conselho de Ministros, foi solicitada pelo Conselho Superior destes tribunais, dado o elevado número de processos pendentes, o número de lugares que se encontram por preencher, e o aumento da litigiosidade nestes tribunais.

Esta é mais uma medida do Governo com o objetivo de tornar os tribunais mais dotados de meios humanos e o sistema judicial mais célere. Já em outubro do ano passado foi promulgada a criação de cinco equipas de juízes com a missão de recuperar processos pendentes de 2012 e de anos anteriores, além da redução das taxas de justiça.

Segundo a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, o objetivo tem sido modernizar e racionalizar a área da justiça administrativa e tributária através do aumento da resposta dos tribunais, da criação de juízos especializados, e da simplificação das regras processuais.

No final de 2017, os 171 juízes destes tribunais tinham, em média, 417 processos em mãos. Segundo o último relatório anual do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais — de 2017 — existiam 71.337 processos pendentes.

O ritmo de resoluções tem sido positivo, segundo o presidente do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais, Vítor Gomes, mas seriam necessários três anos para resolver as pendências nos tribunais tributários (1039 dias) e dois anos e meio para os da área administrativa (900 dias).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Magistrados vão ter formação “expresso” para tornar a justiça mais rápida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião