OCDE quer mais melhorias no défice para baixar dívida pública

Estudo sobre Economia portuguesa apresentado esta segunda-feira em Lisboa. OCDE acredita que consumo privado vai acelerar. Pede mais cortes na despesa e menos exceções no IVA.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) defende que Portugal tem de continuar a fazer progressos nas suas finanças públicas com o objetivo de baixar a dívida pública. Nesse sentido, a organização com sede em Paris argumenta que o défice deve continuar a reduzir-se e que Portugal deve manter uma folga orçamental mesmo depois de excluída a fatura com os juros.

O recado consta do Estudo sobre a Economia portuguesa apresentado esta segunda-feira em Lisboa pelo secretário-geral da instituição, Ángel Gurría. “As melhorias nos saldos orçamentais contribuíram para a redução do rácio da dívida de 130,6% do PIB em 2014 para um número em torno de 121,1% em 2018. No entanto, este rácio continua a ser um dos mais elevados dos países da OCDE. Melhorias adicionais nas finanças públicas vão exigir a redução do défice orçamental e a manutenção do excedente primário“, diz o relatório.

Ao excluir a fatia dos juros, o saldo primário dá uma ideia mais correta do esforço de consolidação do Governo já que coloca toda a atenção na diferença entre receitas e despesas que mais dependem da ação do Executivo. Daí o foco neste indicador, tanto mais que a OCDE considera que o aumento dos encargos com juros, em resultado da normalização da política monetária do Banco Central Europeu, é um dos riscos que recai sobre Portugal.

Esta indicação valida a estratégia que o Governo tem seguido e que é particularmente evidente no debate público com os parceiros no Parlamento, que criticam o Executivo por continuar a baixar o défice – que este ano deverá ficar próximo do equilíbrio – e ir além das exigências europeias em matéria de metas orçamentais. Mário Centeno, o titular da pasta das Finanças, contra argumenta com o facto de a dívida pública ter de continuar a baixar.

Além disso, ganha atualidade política quando Portugal tem legislativas marcadas para outubro e o primeiro-ministro, António Costa, tem sinalizado preferência pela continuidade da atual solução governativa no caso de vencer a ida às urnas sem maioria absoluta.

No quadro de previsões para Portugal, a OCDE aposta num saldo orçamental positivo (de 0,1% do PIB) em 2020, depois de para este ano prever um défice de 0,2% (igual à meta governamental). A dívida pública deverá baixar para 115% no próximo ano, depois de este ano chegar aos 118,4%, acredita a OCDE.

Mas além disso, a OCDE vê outras nuvens no horizonte relacionadas com a pressão na despesa resultante do envelhecimento da população. Apesar das reformas feitas por Portugal na saúde e nas pensões, a sustentabilidade orçamental vai beneficiar de um direcionamento dos cuidados de saúde para os cuidados primários e de mais cortes no acesso a reformas antecipadas“.

Se estas são as sugestões do lado da despesa, do lado da receita a OCDE aponta para um alargamento da base tributária, através de reduções nas isenções fiscais no IVA, sugerindo até que sejam “minimizadas” as taxas mais baixas neste imposto.

Na economia, a OCDE vê Portugal a crescer, mas a um ritmo mais moderado. Neste estudo mais aprofundado sobre Portugal, a organização liderada por Ángel Gurría, mantém a previsão de crescimento para este ano em 2,1%, apenas uma décima menos do que a projeção do Governo, numa altura em que a Comissão Europeia aponta para 1,7%. Para 2020, a OCDE espera que o PIB cresça 1,9%. Apesar deste abrandamento, a taxa de desemprego vai continuar a baixar, de 6,4% para 5,7%, este ano e no próximo, respetivamente.

Com os principais parceiros comerciais a abrandar, as exportações enfrentarão entraves, avisa a OCDE, que vê no consumo privado o suporte para a economia, sendo a única componente do PIB a acelerar. “Mais ganhos no emprego e aumentos reais nos salários vão suportam o crescimento do consumo e a inflação vai acelerar ligeiramente”, escreve a OCDE.

As previsões da OCDE

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OCDE quer mais melhorias no défice para baixar dívida pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião