Altice Portugal tem “mecanismos internos” para combater “fake news”

  • Lusa
  • 4 Março 2019

"Temos os nossos próprios mecanismos internos para garantir que esse flagelo das 'fake news' não prolifera, pelo menos com a nossa complacência", afirma o presidente executivo da Altice Portugal.

O presidente executivo da Altice Portugal mostrou estar preocupado com as “fake news”, adiantando que pretende “dinamizar” a parceria com o Polígrafo e que a empresa tem “mecanismos internos” para garantir que o fenómeno não prolifera. Questionado sobre o fenómeno de notícias falseadas, Alexandre Fonseca disse que o assunto “é um ponto de preocupação enquanto gestor, mas também enquanto cidadão”.

Nesse sentido, apontou que a Altice Portugal, dona da Meo e do Sapo, já trabalha “nalguns quadrantes” nesta matéria, recordando o anúncio feito na última edição da Web Summit de uma parceria com o Polígrafo, “um site que se assume como um primeiro passo para garantir a credibilidade ou não de algumas notícias que são veiculadas”.

“Este é um passo, temos esta parceria estabelecida, queremos dinamizar essa parceria”, sublinhou, em entrevista à Lusa, Alexandre Fonseca. “Além disso, obviamente que temos também os nossos próprios mecanismos internos de garantir que esse flagelo das ‘fake news’ não prolifera, pelo menos com a nossa complacência”, apontou o gestor.

O presidente executivo da Altice Portugal sublinhou que a própria dona da Meo já foi alvo de “fake news'” apontando o exemplo do alegado interesse do grupo em vender os ativos no mercado português. “De facto, nós também somos alvo dessas ‘fake news'”, um fenómeno que é disseminado através da tecnologia.

E na relação da tecnologia com os media, Alexandre Fonseca defendeu mais uma vez a convergência entre as telecomunicações e os conteúdos, agora como forma de reforçar o combate às “fake news”. “Mais um exemplo de como a fusão forte e um trabalho conjunto entre tecnologia, telecomunicações e media poderia claramente trabalhar no sentido de garantir este tipo de mecanismos”, salientou Alexandre Fonseca.

“Isso é válido nas ‘fake news’, é válido na pirataria dos conteúdos televisivos premium, é válido num conjunto de áreas, em que hoje estamos a falar de distribuidores como nós, e de produtores de conteúdos, em que todos perdemos”, rematou o gestor.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice Portugal tem “mecanismos internos” para combater “fake news”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião