ISEG vai ter de demolir edifício por causa das obras do Metro de Lisboa

A construção de dois quilómetros de rede de metro entre o Rato e o Cais do Sodré vai implicar algumas alterações no percurso por onde passa o Metro. Universidade vai negociar com o Metro indemnização.

O ISEG vai ter de demolir um edifício designado por cantina velha, onde funcionam gabinetes e salas de estudo, por causa das obras de expansão do Metro de Lisboa. O arranque das obras que vão ligar as linhas amarela e verde está previsto para este semestre. A escola de economia e gestão e o Metro de Lisboa vão negociar uma indemnização.

As obras de expansão do Metro de Lisboa preveem um “novo troço de dois quilómetros entre o Rato e o Cais do Sodré, com a construção de duas novas estações (Estrela e Santos). A empreitada inclui ainda a remodelação das instalações do Cais do Sodré e intervenções nos viadutos do Campo Grande, de forma a ligar as atuais linhas Verde e Amarela”.

“Na zona do ISEG será construída uma saída de emergência e poço de ventilação”, disse ao ECO fonte oficial do Metro de Lisboa, quando questionada com a informação de que a cantina teria de ser destruída. A 7 de fevereiro, na sessão anual do ISEG, a presidente Clara Raposo tinha revelado que as obras implicariam a demolição da cantina e que em breve iriam começar as negociações com a empresa que gere o Metro de Lisboa. O objetivo seria chegar a um acordo sobre o valor da indemnização.

O ECO tentou esclarecimentos adicionais junto do ISEG várias vezes, mas não obteve resposta até à publicação deste artigo. Já depois da publicação do artigo, o ISEG esclareceu que Clara Raposo referiu a demolição do edifício “cantina velha”, acrescentando que este edifício já serviu para servir refeições mas que atualmente “acolhe gabinetes e salas de estudo”. Ou seja, é utilizado “para serviços administrativos e de investigação”. Não está previsto qualquer impacto no serviço de refeições, garante fonte oficial.

Mapa do campus do ISEG disponibilizado na página da Universidade. Neste mapa não está identificado qual o edifício “cantina velha”.

 

O ISEG ficará assim próximo da nova estação de Santos. No processo de Estudo de Impacte Ambiental referente às obras de prolongamento do Metro de Lisboa fica claro o impacto que as obras terão nesta zona. A estação de Santos ficará situada mais junto ao Quartel dos Bombeiros situado na Avenida D. Carlos I e as imediações serão bastante afetadas pelas obras. “Verifica-se também que, para as possíveis ruas onde circularão os camiões de transporte de material para os estaleiros da obra, não foram efetuadas previsões de ruído que quantifiquem a subida de ruído que previsivelmente ocorrerá nestes percursos (ex: Rua Miguel Lupi, como uma que poderá vir a ser significativamente afetada)“, diz o documento. Esta é uma das ruas que circunda o ISEG.

Ao ECO, o Metropolitano de Lisboa adiantou apenas que “o projeto de expropriações associado à expansão do ML dará lugar a Declaração de Utilidade Pública que será do conhecimento público”, sem adiantar mais detalhes sobre as negociações da indemnização.

O Código de Expropriações refere que as declarações devem ser publicadas em Diário da República e a indemnização deve “ressarcir o prejuízo que para o expropriado advém da expropriação, correspondente ao valor real e corrente do bem de acordo com o seu destino efetivo ou possível numa utilização económica normal, à data da publicação da declaração de utilidade pública, tendo em consideração as circunstâncias e condições de facto existentes naquela data”. O ECO questionou também o ISEG, mas não obteve resposta até à publicação deste artigo.

Segundo dados do Ministério do Ambiente, as obras do Metro de Lisboa estão avaliadas em 210 milhões de euros, dos quais 83 milhões resultam de fundos comunitários. O Governo prevê que as obras arranquem no primeiro semestre deste ano e terminem em 2023.

(Notícia atualizada às 11:10 com informação enviada pelo ISEG depois da publicação da notícia)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ISEG vai ter de demolir edifício por causa das obras do Metro de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião