Donald Trump acusa democratas de “abuso de poder”

  • Lusa
  • 5 Março 2019

"Os democratas fazem obstrução de justiça", escreveu o presidente dos Estados Unidos, no Twitter, a propósito da extensa investigação que abriram contra si.

O presidente norte-americano, Donald Trump, acusou esta terça-feira os democratas de protagonizarem o “maior abuso de poder da História” dos Estados Unidos, depois de terem lançado uma extensa investigação ao chefe de Estado.

“Os democratas fazem obstrução de justiça”, afirmou o presidente norte-americano, na rede social Twitter. Para Donald Trump, os democratas “lançaram-se numa grande cruzada desesperada à procura de um crime, quando o verdadeiro crime foram eles que o cometeram”.

O líder da Comissão Judiciária do Congresso anunciou na segunda-feira que os democratas lançaram uma extensa investigação sobre Donald Trump, averiguando as bases para um possível processo de impeachment (destituição). A investigação vai inquirir possíveis obstruções à justiça, corrupção e abuso de poder. De acordo com Nadler, foram enviados pedidos de informação a 81 pessoas e organizações associadas direta ou indiretamente a Donald Trump, incluindo dois filhos do presidente, Eric e Donald Jr., e o seu genro, Jared Kushner.

A investigação tenta apurar alegadas ilegalidades que possam conduzir ao início de um processo de destituição do presidente, que pode ser ordenado pela Câmara dos Representantes, de maioria democrata, desde as eleições intercalares de novembro passado. O Partido Democrata, contudo, continua a dizer que nada fará até serem conhecidos os resultados da investigação que está a ser conduzida pelo procurador especial Robert Mueller, que também averigua eventuais ilegalidades cometidas por pessoas associadas a Trump, nomeadamente uma ação de conluio com o governo russo para interferência nas eleições presidenciais de 2016.

Agora que os democratas detêm a maioria na Câmara, esta nova investigação é um sinal de que Trump corre sérios perigos políticos, mesmo que a investigação sobre conluio com o Governo russo não seja consequente, obrigando o presidente a prestar esclarecimentos ao longo dos próximos meses, sobre diversas matérias. O anúncio de Nadler acontece depois de também várias outras comissões do Congresso terem anunciado investigações separadas, que em alguns casos se sobrepõem, embora os líderes de cada uma delas digam que estão a trabalhar em conjunto.

A lista de 81 nomes a quem foram pedidos depoimentos e informações afeta todas as partes da vida de Trump, desde os seus negócios pessoais e empresariais, à sua campanha, passando pela comissão que supervisionou a transição de poder na Casa Branca. O anúncio da nova investigação acontece dias depois de uma semana politicamente complicada para Trump, com o fracasso da cimeira com a Coreia do Norte, em Hanói, e com o seu ex-advogado pessoal, Michael Cohen, em depoimento ao Congresso a chamar-lhe publicamente “racista e vigarista”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Donald Trump acusa democratas de “abuso de poder”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião