Chrysler Building vendido a preço de saldo. Novos donos pagaram 150 milhões de dólares

Dois meses depois de ser colocado à venda, o famoso Chrysler Building, um dos mais altos de Nova Iorque, foi vendido à austríaca Signa Holding GmbH e ao fundo RFR Segurar.

Um dos edifícios mais altos de Nova Iorque foi vendido a preço de saldo. O famoso Chrysler Building, que tinha sido posto à venda em janeiro pelo fundo soberano de Abu Dhabi, passa agora para as mãos da maior imobiliária austríaca por 150 milhões de dólares (134 milhões de euros), um valor bastante abaixo daquele que o fundo pagou em 2008 por uma participação maioritária no edifício.

Bastaram apenas dois meses para este arranha-céus encontrar um novo proprietário. O Chrysler Building, em Nova Iorque, conquistou o interesse da austríaca Signa Holding GmbH que, através de uma joint-venture com o fundo imobiliário RFR Segurar, pagou 150 milhões por ele, avança a Reuters (conteúdo em inglês), citando fontes próximas do processo.

Chrysler BuildingPxhere

O valor pago terá dado prejuízo aos antigos proprietários — fundo soberano dos Emirados Árabes Unidos e a norte-americana Tishman Speyer –, uma vez que o fundo desembolsou, em 2008, 800 milhões de dólares (713 milhões de euros) para adquirir uma participação de 90% no capital do edifício.

A pesar no valor de venda estavam pontos como os custos de melhorias e manutenção do edifício com quase 90 anos. Além disso, os novos donos têm de pagar uma espécie de renda à escola Cooper Union, uma vez que o edifício está instalado num terreno que não é seu. O valor dessa renda aumentou para 32,5 milhões de dólares (29 milhões de euros) no ano passado e, de acordo com as projeções da Cooper Union, chegará aos 41 milhões de dólares (36,5 milhões de euros) em 2028.

A Signa Holding já costuma investir neste tipo de ativos — edifícios de referência em locais privilegiados. Por sua vez, o fundo RFR é proprietário de alguns dos mais prestigiados edifícios de escritórios em Manhattan, incluindo-se o Seagram Building e a Lever House, na Park Avenue. A parceria entre as duas entidades tem cerca de dois anos, altura em que a Signa comprou cinco importantes propriedades da RFR na Alemanha por 1,5 mil milhões de euros.

O Chrysler foi construído entre 1929 e 1930 pela Chrysler Corporation, de Walter P. Chrysler, e projetado por William Van Alen. O arranha-céu de 77 andares nasceu numa altura de grande competição para a construção de um dos arranha-céus mais altos do mundo.

Chegou a ser considerado o mais alto do mundo por um curto período de tempo antes de ser superado pelo Empire State Building, que foi concluído em 1931. Foi sede da Chrysler até 1953 e continuou a ser internacionalmente reconhecido devido à presença em filmes como “Independence Day” a “Spider-Man” e “Men in Black 3”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chrysler Building vendido a preço de saldo. Novos donos pagaram 150 milhões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião