Chineses da HNA vendem edifício em Manhattan por mais de 400 milhões de dólares

Os acionistas chineses da TAP desfizeram-se de mais um imóvel para ultrapassar a crise financeira que atravessam. Desta vez foi uma torre em Manhattan, próxima da Trump Tower.

Os chineses do HNA Group continuam a desfazer-se de ativos para reduzir a crise financeira que atravessam. Desta vez venderam um edifício em Manhattan, próximo da Trump Tower, que terá sido vendido por mais de 400 milhões de dólares, de acordo com o site Bisnow. Esta operação soma-se às muitas que o grupo tem vindo a fazer, totalizando mais de 20 mil milhões de dólares em desinvestimentos.

De acordo com a notícia adiantada pela empresa em comunicado, citada pela Bloomberg (conteúdo em inglês), o edifício localizado no número 850 da Third Avenue deixa de ser propriedade do HNA Group.

Os chineses tinham adquirido este edifício, juntamente com outros sócios, por 463 milhões de dólares (403 milhões de euros) e estavam a tentar vendê-lo desde o início do ano passado. De acordo com o site Bisnow, a torre foi vendida ao investidor e construtor Jacob Chetrit e aos filhos por 422 milhões de dólares (367 milhões de euros).

O HNA Group detinha 90% da torre, juntamente com a MHP Real Estate Services e com a Atco Properties & Management LLC. “Estamos ansiosos por trabalhar e oferecer mais oportunidades aos nossos amigos Jacob Chetrit e aos seus filhos Michael e Simon”, disse o presidente e CEO da MHP, David Sturner, citado em comunicado. “Estamos entusiasmados por ter vendido este recurso notável a uma família respeitada e estabelecida no setor imobiliário de Nova Iorque”.

Esta operação vem juntar-se aos mais de 20 mil milhões de dólares (17,4 mil milhões de euros) de desinvestimentos que a empresa chinesa tem vindo a realizar para reduzir o elevado endividamento. No verão do ano passado encaixaram mais de dois mil milhões de dólares com a venda de uma subsidiária de aluguer de aeronaves Avolon Holdings a uma empresa japonesa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chineses da HNA vendem edifício em Manhattan por mais de 400 milhões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião