Jogo online ilegal vale 60% do mercado legal

  • ECO
  • 11 Março 2019

Crescimento do jogo legal é impedido por impostos e regras, enquanto o jogo ilegal cresce e já vale cerca de 90 milhões por ano.

O jogo ilegal já vale 60% do mercado legal de jogos. Os impostos e as regras impedem um maior crescimento do jogo legal, face ao do ilegal, que já vale cerca de 90 milhões por ano, o que significa que não paga impostos nem é controlado pelo Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos, escreve esta segunda-feira o Diário de Notícias [acesso condicionado]. Este cenário contribui para também para a fraca expansão legal deste tipo de apostas.

De acordo com o diário, neste momento existem 15 autorizações para a exploração do jogo online nas vertentes de fortuna e azar e de apostas desportivas à cota (respetivamente oito e sete). No entanto, não deverão surgir muitas mais, garante António Vieira, administrador executivo da Estoril Sol. No ano passado havia cerca de um milhão de registos de jogadores em sites legais que apostaram 2.431,8 milhões de euros, uma receita bruta de 152 milhões de euros, mais 24% do que no ano anterior.

Entre as razões apontadas para a predominância do jogo online estão os impostos elevados que fazem do mercado português um mercado parado, apesar de a sua regulamentação ter acontecido recentemente, em 2015.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Jogo online ilegal vale 60% do mercado legal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião