“Netflix dos videojogos”. Quem está a liderar a corrida?

Jogar um videojogo poderá, brevemente, excluir a necessidade de utilizar uma consola conectada a um televisor. O modo como se joga poderá ficar mais perto da forma como se vê um filme na Netflix.

É a corrida dos videojogos ou, como quem diz, da reinvenção dos videojogos. Ganha quem for o primeiro a cortar a meta, ou seja, quem conseguir criar uma espécie de “Netflix dos videojogos”. Amazon, Google, Apple e Microsoft são as empresas estão mais perto de chegar ao pódio, diz o Business Insider (acesso livre, conteúdo em espanhol).

O futuro dos videojogos poderá, provavelmente, excluir a necessidade de utilizar uma consola conectada a um televisor. O seu funcionamento poderá estar mais perto da forma como funciona, atualmente, a Netflix. Da mesma forma que a plataforma streaming permite ver filmes ou séries em qualquer momento, lugar ou dispositivo, a intenção é que o mesmo seja possível no universo dos videojogos.

Este ano será marcado pelo desenvolvimento da nova versão, que promete transformar a forma como se joga atualmente. Grandes tecnológicas como a Amazon, a Google, a Apple e a Microsoft estão empenhadas nesta ideia, mas nem todas andam ao mesmo ritmo.

Nesta corrida, a Microsoft é, talvez, a empresa com maior vantagem. A tecnológica fundada por Bill Gates está a criar o seu próprio serviço de videojogos por streaming, que deverá ser lançado ainda este ano. No passado mês de outubro, a empresa mostrou, através da um vídeo, como é que este serviço irá funcionar.

“Temos tantas possibilidades de criar um serviço de subscrição como qualquer outra empresa”, afirmou Satya Nadella, CEO da Microsoft, no final do mês, acrescentando que a empresa tem uma vantagem estratégica: a Xbox. “Dispomos de um enorme catálogo (…) temos os nossos próprios videojogos”. De acordo com a Microsoft, os testes — abertos ao público — decorrerão este ano, ainda que não haja ainda datas específicas.

A Google também não está de olhos fechados e, nos último mês ganhou alguma vantagem. No final de 2018 e durante grande parte do passado mês de janeiro, a tecnológica realizou uma prova com o objetivo de testar aquilo que poderá ser o seu novo serviço de streaming de videojogos. Durante o teste, os utilizadores puderam jogar Assassin’s Creed Odyssey de forma gratuita nos seus computadores. Ainda que tenha sido apenas um teste, ficou provado que a Google é capaz de transmitir um videojogo num navegador web. O que ainda está por saber é qual será, agora, o passo seguinte.

A Amazon, segundo se sabe, estará, também, a trabalhar num serviço semelhante ao da Netflix, mas aplicado aos videojogos. Assim, em vez de comprarem os jogos, os jogadores vão poder reproduzi-los via streaming. A empresa liderada por Jeff Bezos estará a analisar quais os videojogos que poderiam integrar este novo serviço, contudo, ainda está tudo numa fase muito inicial. Não é esperado que o serviço esteja completamente implementado já em 2020.

Tal como a Amazon, a Apple também ainda não realizou nenhum anúncio oficial sobre o serviço de streaming de videojogos. Contudo, alguns rumores dizem que o serviço poderá funcionar da mesma maneira que a Netflix, baseando-se em subscrições pagas. Fontes próximas da marca da maçã avançam, também, que o projeto está “nas primeiras fases”, correndo o risco de, como já aconteceu com outros projetos, nunca chegar a ver a luz do dia.

Comentários ({{ total }})

“Netflix dos videojogos”. Quem está a liderar a corrida?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião