Raspadinhas e jogos online dificultam crescimento dos casinos

  • ECO
  • 10 Janeiro 2019

O grupo Estoril Sol e a Solverde destacam-se entre as concessionárias de salas de jogo que atingiram uma faturação mais alta, e um crescimento em relação ao ano anterior.

Há quem não dispense uma raspadinha quando vai ao café, ou tentar a sorte no Euromilhões todas as semanas. Também os jogos online vão ganhando mais adeptos, afastando as pessoas dos casinos, onde ainda não se conseguiu voltar aos ganhos de outras épocas.

As receitas provenientes da exploração de jogos, como as slot machines e bancados, nos casinos portugueses subiram 3,1% para os 318,8 milhões de euros em 2018, avança o Diário de Notícias (acesso pago). Estes números mantêm-se, no entanto, distantes daqueles registados no início do século.

A liderar a lista dos casinos mais lucrativos encontra-se o grupo Estoril Sol, que é responsável pela concessão do Estoril, Lisboa e Póvoa de Varzim. A faturação atingiu os 196,8 milhões de euros, no que foi uma subida de 2,4% em relação ao ano anterior. Este grupo viu as receitas do jogo online crescer 75%.

Mas quem registou a melhor performance foi a concessionária das salas de Espinho, Chaves e Algarve, a Solverde, ao crescer 4,8% para os 93,6 milhões de euros. O grupo Pestana foi o único que não registou um aumento nos proveitos globais. A concessionária que detém a sala do Funchal viu a faturação cair 3,1% para os 8,4 milhões de euros.

Comentários ({{ total }})

Raspadinhas e jogos online dificultam crescimento dos casinos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião