Juro da dívida portuguesa cai e quase iguala o de Espanha. “Portugal tem uma história mais convincente em 2019”

O diferencial entre os juros da dívida portuguesa e os juros da dívida espanhola está em 0,152 pontos percentuais, o valor mais baixo desde a crise.

O diferencial entre os juros da dívida portuguesa a dez anos e os juros da dívida espanhola no mesmo prazo está no valor mais baixo desde a crise: 0,152 pontos percentuais. Esta redução do spread das duas yields das dívidas dos países da Península Ibérica acontece numa altura em que Espanha se prepara para eleições legislativas antecipadas, enquanto Portugal vive uma situação económica estabilizada.

Esta segunda-feira, os juros portugueses a dez anos estão a recuar 0,044 pontos base para 1,313%. Esta é a taxa mais baixa de sempre. Na quinta-feira, face à decisão do BCE, a yield tinha ficado, pela primeira vez, abaixo dos 1,4%, um recorde que acaba de ser batido esta tarde.

No outro lado da Península Ibérica, os juros espanhóis avançam 0,098 pontos base para 1,161%, face à estabilidade política atualmente vivida nesse país. O primeiro-ministro espanhol marcou eleições legislativas antecipadas para 28 de abril, depois do Orçamento do Estado para 2019 ter sido chumbado pelos partidos independentistas.

Durante esta legislatura, Espanha já teve dois Governo minoritários. O de Mariano Rajoy, que foi derrubado por Pedro Sanchéz com uma moção de censura; e o de Pedro Sanchéz, que acaba de cair.

Deste modo, no início do mês, o banco norte-americano JPMorgan aconselhou os investidores a reforçarem as suas posições na dívida pública portuguesa em detrimento da espanhola. “Acreditamos que Portugal tem uma história mais convincente em 2019 do que Espanha”, afirmou a analista de renda fixa da instituição Gianluca Salford. “Os dois países estiveram em paralelo no mercado nos últimos meses, mas a nossa expectativa de um aumento do ruído político em Espanha, devido ao debate das emendas ao Orçamento do Estado, pode facilitar um melhor registo da dívida portuguesa nas próximas semanas”, rematou Salford.

Face a este tumulto político em Espanha e à relativa estabilidade económica portuguesa, o diferencial entre a yield lusa e a yield hispânica tem encolhido. Esta segunda-feira, o spread atingiu mesmo o valor mais baixo desde a crise: 0,152 pontos percentuais. É preciso recuar até 27 de janeiro de 2010 para encontrar um diferencial mais baixo. Nessa ocasião, o spread era de 0,063 pontos base.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juro da dívida portuguesa cai e quase iguala o de Espanha. “Portugal tem uma história mais convincente em 2019”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião