Juro da dívida portuguesa cai e quase iguala o de Espanha. “Portugal tem uma história mais convincente em 2019”

O diferencial entre os juros da dívida portuguesa e os juros da dívida espanhola está em 0,152 pontos percentuais, o valor mais baixo desde a crise.

O diferencial entre os juros da dívida portuguesa a dez anos e os juros da dívida espanhola no mesmo prazo está no valor mais baixo desde a crise: 0,152 pontos percentuais. Esta redução do spread das duas yields das dívidas dos países da Península Ibérica acontece numa altura em que Espanha se prepara para eleições legislativas antecipadas, enquanto Portugal vive uma situação económica estabilizada.

Esta segunda-feira, os juros portugueses a dez anos estão a recuar 0,044 pontos base para 1,313%. Esta é a taxa mais baixa de sempre. Na quinta-feira, face à decisão do BCE, a yield tinha ficado, pela primeira vez, abaixo dos 1,4%, um recorde que acaba de ser batido esta tarde.

No outro lado da Península Ibérica, os juros espanhóis avançam 0,098 pontos base para 1,161%, face à estabilidade política atualmente vivida nesse país. O primeiro-ministro espanhol marcou eleições legislativas antecipadas para 28 de abril, depois do Orçamento do Estado para 2019 ter sido chumbado pelos partidos independentistas.

Durante esta legislatura, Espanha já teve dois Governo minoritários. O de Mariano Rajoy, que foi derrubado por Pedro Sanchéz com uma moção de censura; e o de Pedro Sanchéz, que acaba de cair.

Deste modo, no início do mês, o banco norte-americano JPMorgan aconselhou os investidores a reforçarem as suas posições na dívida pública portuguesa em detrimento da espanhola. “Acreditamos que Portugal tem uma história mais convincente em 2019 do que Espanha”, afirmou a analista de renda fixa da instituição Gianluca Salford. “Os dois países estiveram em paralelo no mercado nos últimos meses, mas a nossa expectativa de um aumento do ruído político em Espanha, devido ao debate das emendas ao Orçamento do Estado, pode facilitar um melhor registo da dívida portuguesa nas próximas semanas”, rematou Salford.

Face a este tumulto político em Espanha e à relativa estabilidade económica portuguesa, o diferencial entre a yield lusa e a yield hispânica tem encolhido. Esta segunda-feira, o spread atingiu mesmo o valor mais baixo desde a crise: 0,152 pontos percentuais. É preciso recuar até 27 de janeiro de 2010 para encontrar um diferencial mais baixo. Nessa ocasião, o spread era de 0,063 pontos base.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juro da dívida portuguesa cai e quase iguala o de Espanha. “Portugal tem uma história mais convincente em 2019”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião