Países europeus impõem limites às rendas altas

  • ECO
  • 12 Março 2019

Em países como a Alemanha, França ou Irlanda, são impostos limites às rendas praticadas em algumas cidades. Por Portugal, Espanha ou Itália, são mais comuns medidas como incentivos fiscais.

As rendas altas são um problema em muitas cidades europeias, e são já vários os países que começaram a aplicar medidas para controlar a situação. Na Alemanha, França e Irlanda, por exemplo, são impostos limites aos valores que podem ser cobrados em alguns locais, de acordo com o Jornal de Negócios (acesso pago).

Entre as medidas praticadas nestes Estados destaca-se o travão imposto em algumas cidades alemãs, onde as rendas dos novos contratos de arrendamento não podem ficar 10% acima do preço médio praticado na mesma zona geográfica em habitações com características idênticas.

Já por Paris, chegou a avançar uma proposta que impunha o limite às rendas de ficarem 20% acima do preço de referência de cada bairro. A medida foi travada, por uma lacuna na lei, mas voltou a ser sugerida pelo Governo, e encontra-se ainda em processo legislativo. Em Dublin, fixou-se nos 4% o aumento máximo das rendas, com a exceção das casas novas ou remodeladas.

Por outro lado, em países como Portugal, Espanha e Itália, as soluções aplicadas no mercado de arrendamento passam por incentivos fiscais para controlar os preços. Os proprietários em Itália que sustentem contratos de cinco anos e rendas controladas podem chegar a ter descontos nos impostos de até 10%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Países europeus impõem limites às rendas altas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião