Santander aposta em Work Café com novos clientes na mira

O Santander Totta abriu o primeiro Work Café em Portugal, um novo tipo de balcão que acredita poder ajudar a captar novos clientes para a instituição. Clientes e não clientes podem usar o espaço.

Tomar um café a aproveitar para abrir uma conta bancária, ou o contrário. Este é um dos objetivos centrais do Santander Totta que lançou nesta terça-feira o seu primeiro Work Café em Portugal. Nas palavras de Vieira Monteiro, chairman do Santander Totta, trata-se de “uma ideia inovadora que obedece ao princípio fundamental de chamar os clientes aos bancos“.

Situado na zona das Amoreiras em Lisboa, o primeiro Work Café do Santander em Portugal, é um novo modelo de balcão, que é simultaneamente uma cafetaria, possuindo um espaço de co-working onde clientes e não clientes podem trabalhar, estudar ou promover uma reunião.

Para além de um espaço aberto cujo acesso está acessível ao público em geral, neste balcão do Santander será possível efetuar todas as operações habituais de quem se dirige a um banco.

As expectativas do banco liderado por Pedro Castro e Almeida, que assumiu o cargo de CEO no início deste ano, é que este novo conceito de balcão ajude a captar novos clientes. Situação que desde que este novo espaço entrou em funcionamento em dezembro do ano passado já é percetível. “Ao fim de três meses, os resultados têm sido muito bons“, assume Pedro castro e Almeida, acrescentando que “comparando com um balcão tradicional, os múltiplos são bastante elevados“, apesar de não adiantar números.

Trata-se do primeiro balcão deste género em Portugal, mas não o primeiro do Santander. O banco já abriu Work Café no Chile, onde atualmente cerca de 10% dos seus 500 balcões funcionam nesse modelo, mas também no Brasil, Argentina e Espanha. Em Portugal, já está prevista a abertura de novos balcões semelhantes em Coimbra, Espinho e Porto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander aposta em Work Café com novos clientes na mira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião