Casas são vendidas com desconto de 22% face ao preço inicial

  • ECO
  • 13 Março 2019

O preço de venda das casas em Portugal continental aumentou 15,4% em dezembro de 2018. O ano passado deu continuidade ao ciclo ininterrupto de cinco anos de valorizações. homólogas.

Os preços do mercado imobiliário não páram de subir, mas os valores não correspondem às expectativas dos proprietários já que as casas acabam por ser vendidas por um preço 22% inferior ao que é inicialmente pedido, revelam os dados da Confidencial Imobiliário. A diferença é ainda mais acentuada no Porto — chega a ser de 30%, avança esta quarta-feira o Público (acesso condicionado).

O preço de venda das casas em Portugal continental aumentou 15,4% em dezembro de 2018, face a igual mês do ano anterior, de acordo com os dados divulgados na terça-feira pela Confidencial Imobiliário no âmbito do Índice de Preços Residenciais, o indicador que acompanha a evolução dos preços efetivos de transação de habitação no país. Mas, nos últimos cinco anos, os aumentos chegaram a ser de 46%. O gap que se verifica entre o valor pedido pelos proprietários e o da venda efetiva “demonstra algo simples: os proprietários têm expectativas de preços desencontradas da realidade da procura efetiva”, disse ao Público Ricardo Guimarães, diretor da Confidencial Imobiliário, uma entidade privada que agrega as transações registadas no mercado imobiliário a partir de dados das imobiliárias.

Esta subida representa uma aceleração face aos 12,8% registados no final de 2017 e reflete o comportamento homólogo predominante ao longo de 2018, que entre abril e setembro se situou entre os 15% e os 16%, chegando mesmo a atingir mais de 17% meses de outubro e novembro”, refere a Confidencial Imobiliário numa nota citada pela Lusa.

Ainda assim, continua, “o desempenho homólogo dos preços em dezembro apresenta um arrefecimento face ao mesmo indicador observado no mês anterior, quando foi atingida a valorização mais elevada em 10 anos (17,3%)”.

Em termos mensais, os preços encerraram o ano em estabilização, apresentando uma diferença residual de -0,1% em dezembro comparativamente com o mês anterior.

Em termos gerais, segundo a Confidencial Imobiliário, 2018 deu continuidade ao ciclo ininterrupto de cinco anos de valorizações homólogas (desde finais de 2013), o qual se intensificou fortemente desde meados de 2017, período a partir do qual os preços residenciais observam subidas homólogas superiores a 10%.

“Na sequência deste percurso de recuperação, os preços da habitação em Portugal apresentam um ganho de 46% face a meados de 2013, quando atingiram o seu ponto mais baixo”, acrescenta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casas são vendidas com desconto de 22% face ao preço inicial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião