Banca já só tem 12 casas à venda em Lisboa… e são premium

A euforia do imobiliário está ao rubro na capital, onde o número de vendas e o preço das casas não param de crescer. Até na carteira dos bancos quase não há oferta de casas em Lisboa e arredores.

Comprar casa em Lisboa é cada vez mais caro, mas também mais difícil. A oferta disponível é cada vez menor e as imobiliárias desdobram-se para convencer proprietários a colocarem as casas à venda. A escassez de oferta na capital também chega à carteira de imóveis dos bancos. Existem, atualmente, pouco mais do que “duas mãos cheias” de casas da banca disponíveis na capital, com a particularidade de serem acessíveis a apenas bolsos muito recheados. Também nos arredores da capital a oferta é escassa.

Uma ronda pelas plataformas de imobiliário de sete dos maiores bancos nacionais — CGD, BCP, Novo Banco, Santander Totta, BPI, Montepio Geral e Crédito Agrícola — permitiu comprovar isso mesmo. No total foram identificadas nas respetivas carteiras apenas 12 casas à venda na cidade lisboeta.

Há bancos que não dispõem, aliás, de qualquer imóvel localizado em Lisboa. É o que se passa no Novo Banco, Santander, BPI e Montepio. O grosso da disponibilidade está no BCP, com a instituição liderada por Miguel Maya a publicitar na sua plataforma de imobiliário dez casas, seguindo-se a CGD e o Crédito Agrícola com um imóvel, cada.

Casas da banca à venda em Lisboa

Em comum todas têm o facto de tratarem-se de imóveis premium. O valor de venda mais baixo é de 710 mil euros e é pedido pelo BCP para um T2 no Lumiar, situado num condomínio onde estão disponíveis outros oito apartamentos, com o preço mais alto a ser de 955 mil euros por um T4. Valores ainda assim pouco expressivos quando comparados com os 4,17 milhões de euros que são pedidos por um T6 situado na Estrela, imóvel que também integra a carteira do BCP.

Também na Estrela, são pedidos 1,3 milhões de euros por um T3 que é promovido no Caixa Imobiliário, da CGD. Já um T5 (Penthouse) nas Avenidas Novas está à venda por 2,2 milhões de euros no Crédito Agrícola.

A cidade de Lisboa não costuma ser zona onde o banco tem muitos imóveis para vender. Mais, em termos globais há menos imóveis de habitação para vender e espera-se que esta tendência continue ao longo de 2019 – há dois anos que o banco vende mais casas do que entram no balanço.

BCP

Essa escassez de casas na capital não surpreende os bancos. “Não é novidade”, começa por dizer o BCP. “A cidade de Lisboa não costuma ser zona onde o banco tem muitos imóveis para vender“, refere oficial do banco liderado por Miguel Maya.

A posição da CGD vai no mesmo sentido. O banco com mais crédito à habitação em Portugal diz que “a procura de casas em Lisboa tem absorvido a oferta pelo que já há anos que a Caixa tem pouca oferta de casas em Lisboa”. Fonte oficial do banco de capitais públicos contextualiza ainda que “a dinâmica do mercado de Lisboa permite outras formas de recuperação prévias à regularização, pelo que muitas vezes não chega à posse dos bancos”.

Ou seja, a valorização do mercado imobiliário permite a quem não consegue pagar a casa, vendê-la, pagar a dívida ao banco e por vezes até fazer um lucro. O que acaba por acontecer, então, é que as casas nem chegam sequer à posse do banco.

A procura de casas em Lisboa tem absorvido a oferta pelo que já há anos que a Caixa tem pouca oferta de casas em Lisboa. A dinâmica do mercado de Lisboa permite outras formas de recuperação prévias à regularização, pelo que muitas vezes não chega à posse dos bancos.

CGD

Contudo, alargando o espetro de análise à periferia de Lisboa, também é percetível a escassez de imóveis disponíveis nas carteiras dos bancos. Oeiras, Sintra, Cascais, Amadora e Loures: em todas essas zonas foram identificadas apenas 25 casas à venda nas plataformas dos bancos.

“Em termos globais há menos imóveis de habitação para vender e espera-se que esta tendência continue ao longo de 2019” reconhece o BCP, acrescentando que “há dois anos que o banco vende mais casas do que entram no balanço”.

Esta situação é distinta face ao que se presenciava há alguns anos, em que perante a crise financeira os bancos se viram “entupidos” com muitos milhares de milhões de euros em imóveis um pouco por todo o país, mas muitos deles situados na periferia de Lisboa. Casas que lhes foram parar às mãos no seguimento das falhas de pagamento das prestações do crédito por muitas empresas e famílias e que os bancos tiveram de se desfazer de forma a minimizarem perdas. Tudo isso em paralelo com uma crise no setor imobiliário que arrastou os preços das casas.

O cenário atual é muito diferente. A recuperação da situação económica do país e das famílias, levou-as a estarem mais disponíveis para comprar casa a crédito apoiadas ainda na maior abertura dos bancos para disponibilizar financiamento. Em resultado disso, as vendas de casas aceleraram e os preços dispararam, realidade que é particularmente notória em Lisboa, cidade que conta ainda com a pressão do apetite despertado junto dos compradores estrangeiros e pelo facto de “estar na moda” como destino de férias.

De acordo com a Confidencial Imobiliário, nos 12 meses terminados em setembro, o preço das casas registou um crescimento homólogo de 15,6% em Portugal. No mesmo período, em Lisboa a subida dos preços foi de 18,6%, apenas atrás de Cascais (24,9%), diz a consultora. E tudo aponta para que a tendência de subida de preços se mantenha, apesar de a um ritmo mais lento.

Comentários ({{ total }})

Banca já só tem 12 casas à venda em Lisboa… e são premium

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião