Imobiliário em alta. Foram vendidas 500 casas por dia em Portugal

  • ECO
  • 21 Janeiro 2019

Segundo a APEMIP terão sido vendidas 180 mil casas em Portugal no ano passado, um acréscimo de 25 mil imóveis face a 2017. Tendência será para manter em 2019.

Há pelo menos 10 anos que não eram vendidas tantas casas em Portugal. Entre janeiro e dezembro terão sido vendidas em território nacional cerca de 180 mil casas, mais 25 mil do que no ano anterior, cerca de 500 casas por dia, segundo as estimativas da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), adianta o Diário de Notícias na edição de esta segunda-feira.

A Associação diz ainda que estes números representam um aumento de 125% desde 2014.

Os números oficiais do Instituto Nacional de Estatística só deverão ser conhecidos em março, mas no último trimestre do ano, o único que falta contar, o ritmo de vendas deverá ter sido semelhante ao do resto do ano.

Os estrangeiros, sobretudo brasileiros e franceses, continuam a ser os maiores compradores, uma tendência que se mantém, desde 2012, ano da criação dos vistos gold. Segundo a APEMIP, terão representado 20% das vendas das casas no ano passado, ou seja, 35 mil casas.

Apesar de estes números se revelarem altos, as imobiliárias preveem que a tendência se mantenha para 2019.

Luís Lima, presidente da APEMIP, diz que “o mercado imobiliário continua a ter todas as condições para continuar a crescer, e é o que acreditamos que aconteça, ainda que se possa assistir a uma ligeira desaceleração do crescimento, que também é natural”.

Lima lembra contudo que é ano de eleições e isso pode deixar “o mercado apreensivo, o que poderá ter algumas repercussões. De qualquer modo, se tudo se mantiver como está e se não forem tomadas nenhumas medidas que possam influenciar negativamente o bom momento deste setor, acredito que a rota de crescimento se mantenha”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imobiliário em alta. Foram vendidas 500 casas por dia em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião