Preços das casas sobem mais de 30% em seis freguesias de Lisboa e Porto em apenas um ano

Os preços das casas em Lisboa e no Porto sobem quase ininterruptamente há dois anos e não dão qualquer sinal de abrandamento.

Se a subida dos preços das casas é uma tendência generalizada por quase todo o país, o cenário ganha ainda mais força nas duas maiores cidades. Em Lisboa e no Porto, o valor mediano do metro quadrado está a aumentar quase ininterruptamente há dois anos e não dá qualquer sinal de abrandamento. De 2016 para este ano, os preços aumentaram mais de 40% na capital e mais de 30% no Porto. Há mesmo seis freguesias destas cidades onde um ano bastou para atingir este ritmo de crescimento.

Lisboa é a cidade mais cara do país para comprar uma casa. Aqui, o metro quadrado tinha, no final do segundo trimestre de 2018, um valor mediano de 2.753 euros, o que representa um aumento de 42% face ao final de junho de 2016, quando comprar uma casa na capital custava 1.938 euros por metro quadrado.

É o mesmo que dizer que uma casa de 100 metros quadrados em Lisboa terá agora um custo mediano de cerca de 275 mil euros, valor que pode disparar dependendo da freguesia escolhida. Em Santo António (zona do Marquês de Pombal e da Avenida da Liberdade, o preço mediano do metro quadrado ascende a 4.105 euros, enquanto na Misericórdia, a segunda mais cara, os preços chegam aos 3.894 euros por metro quadrado.

E os valores não param de subir. Marvila é a única freguesia lisboeta que dá sinais de abrandamento, numa altura em que são registados aumentos a dois dígitos em grande parte da cidade. Avenidas Novas é a freguesia lisboeta onde os preços mais aumentaram no espaço de um ano: subiram 37,2% do segundo trimestre de 2017 para o final de junho deste ano, totalizando os 3.338 euros por metro quadrado. Segue-se Campolide, com um aumento homólogo de 36,9% no segundo trimestre, para os 2.633 euros por metro quadrado.

A tendência é semelhante no Porto, ainda que os preços sejam mais baixos. Entre o segundo trimestre de 2016 e o mesmo período de 2018, o preço mediano das casas no Porto aumentou de 1.099 euros para 1.460 euros por metro quadrado, uma subida de 34,2%.

Também aqui, há grandes diferenças entre as várias freguesias. Na mais cara, a União das Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde, comprar uma casa tem um preço mediano de 2.142 euros por metro quadrado, o que representa um aumento homólogo de perto de 23%.

Já a União das freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória é aquela que apresenta o crescimento mais acentuado dos preços: o valor mediano do metro quadrado disparou 43,6% no espaço de um ano, totalizando agora os 1.777 euros.

Subidas chegam aos subúrbios

O aumento dos preços é sentido um pouco por toda a área metropolitana de Lisboa e do Porto. Na Amadora, uma das zonas que tem sido mais afetada por este fenómeno, o valor mediano do metro quadrado aumentou 15,8% num ano, para 1.119 euros. Já em Odivelas e em Oeiras, os preços dispararam mais de 20% em ambos os casos, totalizando agora 1.424 euros e 1.819 euros por metro quadrado, respetivamente.

O mesmo acontece no Porto. Nos municípios da Maia, Vila Nova de Gaia, Gondomar e Matosinhos, os preços aumentaram, no segundo trimestre, em torno dos 10% em todos os casos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preços das casas sobem mais de 30% em seis freguesias de Lisboa e Porto em apenas um ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião