Prejuízos da TAP ultrapassaram os 100 milhões em 2018

O conselho de administração da TAP vai aprovar as contas de 2018 já no próximo dia 21. São prejuízos superiores a 100 milhões de euros.

A TAP registou prejuízos que ultrapassam os 100 milhões de euros em 2018, apurou o ECO junto de fontes oficiosas da companhia, que pediram o anonimato. Os resultados vão ser aprovados em conselho de administração no próximo dia 21, quinta-feira, e depois, logo nos dias seguintes, haverá uma conferência de Imprensa para explicar este inesperado regresso aos prejuízos.

Esta sexta-feira, o chairman da TAP, Miguel Frasquilho, indicado pelo acionista Estado, admitiu num almoço no American Club que o ano de 2018 não foi positivo nem em termos económicos, nem em termos operacionais, mas não desvendou os números. E justificou com os atrasos e as consequentes indemnizações a pagar aos passageiros, com o impacto da subida do petróleo e a valorização do kwanza e do real. O ECO já tinha questionado a TAP sobre os números de 2018, mas a companhia escusou-se a fazer comentários.

De acordo com informações já reveladas no ECO Insider (uma newsletter semanal, à sexta-feira, de acesso exclusivo a assinantes), os resultados serão apresentados em conferência com a presença de todos os administradores, executivos e não executivos, nomeadamente os que foram indicados pelo Estado, como Diogo Lacerda Machado e Esmeralda Dourado, além, claro, do próprio Miguel Frasquilho. O objetivo é demonstrar que não há divisões com a Atlantic Gateway, o consórcio privado que tem 45% da TAP e é liderado por David Neeleman.

Estes resultados negativos contrariam a mensagem do presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, no Brasil. Em entrevista recente à revista Isto É Dinheiro, publicada em fevereiro, o discurso era outro:

"No auge da crise, em 2014, a TAP superou a marca de € 1 bilhão em dívidas e prejuízo de € 44 milhões em 12 meses – um recorde absoluto, mesmo entre estatais perdulárias (…) No ano passado, a TAP registou lucro de € 100 milhões, o primeiro resultado positivo em quase 20 anos de perdas consecutivas.”

Reportagem da Isto É Dinheiro, com uma entrevista a Antonoaldo Neves

Os últimos três anos da TAP com a Atlantic Gateway — holding de David Neeleman e de Humberto Pedrosa — como acionista de referência (45% do capital) foram de viragem na companhia, sim. Com mais capital, a TAP tem hoje mais aviões (93 no total e vão chegar mais este ano), tem mais pilotos (e vêm mais mil em 2019), mais e novas rotas e muitos mais passageiros. Mas isso não chegou para o que está prestes a ser anunciado oficialmente, como reconheceu Frasquilho.

Perante estes números, David Neeleman quer fazer uma operação de dispersão de capital da TAP, uma forma de reforçar capitais da companhia, uma necessidade, e uma forma de realizar mais-valias com o investimento já feito na TAP. Os privados já investiram cerca de 300 milhões de euros, e tendo em conta a operação anunciada agora pelos chineses da HNA, a TAP valerá pouco mais de 500 milhões de euros. Só que David Neeleman tinha apresentado ao Governo há alguns meses relatórios de auditoria de três bancos de investimento norte-americanos que avaliavam a TAP num valor claramente superior a mil milhões de euros, revelou outra fonte ao ECO.

O Governo, esse, não quer nem falar do assunto em ano eleitoral. Nas primeiras declarações sobre a TAP, uma fonte oficial do Ministério do Planeamento, tutelado por Pedro Nuno Santos, afirmou à Agência Lusa que a venda da posição que o conglomerado chinês HNA tinha na TAP, de 9%, “não afeta a posição estratégica do Estado português”.

Em 2020, esse tema voltará. Antes, Antonoaldo Neves vai gerir a tesouraria com mão de ferro, para evitar qualquer risco de rutura, porque será a última coisa que quererá ter como cartão de visita do seu trabalho na função de presidente executivo.

Comentários ({{ total }})

Prejuízos da TAP ultrapassaram os 100 milhões em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião