BRANDS' ADVOCATUS Nova Lei 13/2019 – Alterações ao Arrendamento Urbano

  • BRANDS' ADVOCATUS
  • 19 Março 2019

Foi publicada, no passado dia 12 de Fevereiro, a Lei 13/2019, que integra um pacote de medidas legislativas destinadas a corrigir situações de desequilíbrio entre arrendatários e senhorios.

Foi publicada, no passado dia 12 de Fevereiro, a Lei 13/2019, que integra um pacote de medidas legislativas destinadas a corrigir situações de desequilíbrio entre arrendatários e senhorios, a reforçar a segurança e estabilidade do arrendamento urbano e a proteger os arrendatários em situação de fragilidade.

Foram introduzidas alterações relevantes ao Código Civil, ao Novo Regime do Arrendamento Urbano, assim como ao Regime Jurídico da Realização de obras em Prédios Arrendados e ao Regime do subsídio de renda.

Aqui iremos apenas dar nota de algumas das mais relevantes alterações ao Código Civil, realizadas pelo referido normativo.

Assim, a Lei 13/2019, veio alterar o paradigma estabelecido pela denominada “Leis Cristas”, a qual havia introduzido a total liberdade contratual no estabelecimento do prazo de vigência do contrato de arrendamento, designadamente do destinado à habitação, repondo em vigor o prazo mínimo nos contratos de arrendamento para esse fim, que fixou em um ano.

Alterou-se a norma supletiva que dispunha, na ausência de estipulação, quanto ao prazo de renovação dos contrato para a habitação com prazo certo, estabelecendo-se que estes se renovam por iguais períodos ou por períodos de três anos, se o prazo inicial de vigência for inferior.

Limitou-se o direito do senhorio se opor à renovação automática, no caso dos contratos para habitação com prazo certo, estabelecendo-se que a mesma só produzirá efeitos decorridos que sejam três anos da celebração do contrato, mantendo-se o mesmo em vigor até essa data, aqui apenas se excepcionando a denuncia para habitação do senhorio.

A alteração desse paradigma também teve impacto nos contratos para fim não habitacional, onde se estabeleceu também a impossibilidade do senhorio se opor à renovação do contrato com efeitos antes de decorridos três anos execução do mesmo, independentemente do prazo de vigência estipulado, restrição que não abrange os arrendatários.

Foi alterado o artigo 1041º, do Código Civil, suavizando-se as consequências da mora no cumprimento da obrigação do pagamento da renda, diminuindo-se a indemnização, devida nestas circunstancias, de 50% do valor da renda em falta, para 20%, impondo-se ainda, ao senhorio, a obrigação de notificar o fiador, se constituído, desse incumprimento, nos noventa dias seguintes à sua verificação, como condição para exigir deste o pagamento em falta.

A resolução com fundamento em falta do pagamento de renda, fica ainda condicionada ao envio de carta registada a partir do terceiro incumprimento, informando o arrendatário de que é intenção do senhorio pôr fim ao contrato

Repescando, de alguma forma, o que já vigorou no Regime do Arrendamento Urbano, estabelecido pelo Decreto Lei 231-B/90, de 15 de Outubro, que em Fevereiro de 2006 foi revogado e substituído pelo Novo Regime do Arrendamento Urbano, estabeleceram-se meios de suprimento da não redução a escrito do contrato de arrendamento, sempre que a ausência de contrato escrito se não deva a facto imputável ao arrendatário, permitindo-se que a existência da relação locatícia seja provada por qualquer forma admitida em direito, demonstrando-se a utilização do locado sem a oposição do senhorio, assim como o pagamento de renda por período mínimo de seis meses.

Por fim, refira-se o agravamento da compensação devida pela denuncia, realizada pelo senhorio, dos contratos de arrendamento não habitacional, com vista à realização de obras de restauro profundas ou com pré-aviso de cinco anos, impondo-se a obrigação de indemnizar separadamente o arrendatários e os trabalhadores do estabelecimento pelos prejuízos que, comprovadamente, resultem da cessação do contrato, excepto se o estabelecimento tiver sido objecto de trespasse nos três anos anteriores.

Outras importantes alterações resultam do mencionado normativo, como o aumento de protecçao do arrendatário no processo de transição do contrato para o actual Regime do Arrendamento, o aumento do número de beneficiário da transmissão da posição do arrendatário por morte, o estabelecimento de um processo injuntivo para o exercício dos direitos atribuídos ao arrendatário pela Lei 12/2019, de 12 de Fevereiro que proíbe e pune o assédio no arrendamento.

Relevantes são também os benefícios fiscais criados para estimular o arrendamento de longa duração, introduzidos pela Lei 3/2019, de 09 de Janeiro.

O “pacote legislativo” que entrou em vigor no mês de Fevereiro, terá um impacto relevante na relação locaticia e, por inerência, no mercado do arrendamento urbano, devendo merecer a atenção de senhorios e arrendatários.

Programa de Formação – Alterações Recentes ao Regime do Arrendamento Urbano
Dia 27 de março | CCIP

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova Lei 13/2019 – Alterações ao Arrendamento Urbano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião