Grupo DIA decide na quarta-feira estratégia para se salvar da falência

  • Lusa
  • 19 Março 2019

A cadeia espanhola de supermercados DIA tem marcada, em quarta-feira, uma assembleia-geral na qual irá ser discutida a estratégia assumida para salvar a empresa da falência técnica.

A assembleia-geral da cadeia espanhola de supermercados DIA tem na quarta-feira, em Madrid, uma reunião decisiva sobre a estratégia que deve assumir para salvar a empresa da situação de falência técnica que se encontra desde dezembro passado.

O grupo de distribuição alimentar, que em Portugal tem a marca Minipreço, irá pronunciar-se sobre se opta por uma proposta do Conselho de Administração ou por um projeto do multimilionário russo Mikhail Fridman, que emitiu uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a empresa.

Os atuais gestores do DIA vão submeter a votação uma “operação-acordeão”, que se traduz numa redução de capital inicial para, posteriormente, proceder ao aumento de capital de 600 milhões de euros.

A empresa anunciou esta terça-feira, em Madrid, que chegou a acordo com a banca sobre a extensão do crédito sindicado de 912 milhões, uma medida que está condicionada à eventual aprovação na quarta-feira do aumento de 600 milhões de euros proposto pelo Conselho de Administração.

Por seu lado, Mikhail Fridman – que, através da empresa LetterOne, detém 29% da empresa – propõe uma recapitalização de 500 milhões de euros, condicionada ao êxito da OPA e a um acordo com a banca credora para alargar os prazos de vencimento da dívida do grupo. As duas partes têm trocado acusações nas últimas semanas, numa tentativa para convencer a maioria dos acionistas que são chamados a votar sobre a estratégia futura do grupo.

Do lado do capitalista russo advertem que as condições acordadas pelo Conselho de Administração com o banco de investimentos Morgan Stanley para assegurar o aumento de capitais podem colocar toda a operação em risco.

Por seu lado, a administração da cadeia de supermercados chama a atenção para a possibilidade de o projeto da LetterOne poder levar a que a empresa caia nas mãos dos credores.

No conflito também participam vários grupos de acionistas minoritários, com participações de menos de 6%, entre os quais está o investidor português Luís Amaral, que, com uma posição de 2%, já manifestou publicamente o apoio à atual administração do DIA.

Luís Amaral, que controla a polaca Eurocash e que detém a posição no grupo Dia através da empresa Western Gate, defendeu, em comunicado, na semana passada, que o plano da administração “oferece mais valor aos acionistas a curto, médio e largo prazo” do que a OPA lançada pela LetterOne.

Segundo o português, “este acionista aproveitou a confusão derivada de importantes perdas por deterioração e efeitos cambiais em 2018 para lançar uma OPA voluntária sobre o DIA a um preço reduzido (…) que não reflete o valor da empresa”.

A situação na empresa também afeta os seus trabalhadores, sobretudo em Espanha, onde já foi apresentado um procedimento especial para obter autorização para suspender ou despedir trabalhadores, que abrange mais de duas mil pessoas e que já está a ser negociado com os sindicatos.

As dificuldades do grupo começaram em meados de outubro do ano passado, quando este reduziu as previsões de crescimento para 2018 e fez “ajustes” nas suas contas de 2017, devido à deteção de “irregularidades” não corrigidas, que foram muito penalizadas pelo mercado e resultaram na queda da sua cotação em bolsa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo DIA decide na quarta-feira estratégia para se salvar da falência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião