Quase metade dos portugueses estão dispostos a pagar mais impostos para melhorar cuidados de saúde, diz a OCDE

Os portugueses não só consideram que melhorar os cuidados de saúde devia ser uma prioridade, como também se dizem dispostos a pagar mais impostos para tal. Isto segundo a OCDE.

Quase metade dos portugueses estaria disponível para pagar mais impostos, se tal significasse a melhoria dos cuidados de saúde oferecidos. A conclusão é da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que ouviu 22 mil cidadãos de 21 dos seus 35 Estados membros sobre os riscos que deveriam ser tidos em conta pelos seus Executivos. Em linha com os irlandeses, gregos, holandeses e norte-americanos, os portugueses identificaram a saúde como prioridade.

“Uma pensão melhor é a escolha mais popular em 14 dos 21 países inquiridos e os cuidados de saúde são a escolha mais comum noutros cinco (Grécia, Irlanda, Holanda, Portugal e Estados Unidos)”, sublinha a OCDE, no relatório divulgado esta terça-feira. Os restantes dois países ouvidos foram o México, que apontou a segurança pública como prioridade, e a Finlândia, que considerou ser necessário investir em benefícios que cubram as necessidades básicas dos cidadãos, como o Rendimento Básico Incondicional (que chegou a ser testado nesse país).

No caso português, é importante referir que 49% dos inquiridos estão mesmo dispostos a pagar mais impostos, se daí resultar na melhoria dos cuidados de saúde. Isto num momento em que várias vozes no espetro político exigem o reforço do investimento na Saúde. Na semana passada, o primeiro-ministro defendeu mesmo o reforço do investimento em “novas instalações e mais pessoas” para tornar o sistema nacional mais competitivo. Portugal vai “chegar ao final desta legislatura com o mesmo valor de investimento que” tinha “antes dos cortes”, salientou António Costa.

Só os inquiridos irlandeses (51%) estão mais disponíveis para pagar mais impostos para melhorar os cuidados de saúde. A completar o pódio, estão a Grécia e o Chile, com 48% dos seus inquiridos com a mesma disposição.

A par dessa conclusão, o inquérito “Risks that matter” apurou que 63% dos inquiridos portugueses apontam “ficar doente ou deficiente” como principal preocupação. A par dos polacos (64%) e dos finlandeses (65%) são os portugueses que mais se preocupam com esta possibilidade. Esta é, de resto, a preocupação mais frequente em 14 dos 21 países considerados.

Em terceiro lugar, mais de 60% dos inquiridos portugueses dizem-se insatisfeitos com os cuidados paliativos oferecidos no país, a par dos chilenos, gregos e polacos.

Jovens lusos preocupados em “atingir conforto dos pais”

Os jovens ouvidos no âmbito deste inquérito mostraram acentuadas preocupações com o seu futuro, sendo a conquista do mesmo nível de conforto e status gozado pelos pais o principal motivo de receio. Em alguns países, como Portugal, cerca de dois terços dos inquiridos com 18 a 19 anos revelam esse medo.

Estas gerações mais jovens são também as que estão mais preocupadas com o financiamento das habitações, face à escalada do preço das rendas em muitos dos Estados-membros da OCDE. Em média, um terço dos inquiridos dos 20 aos 34 anos consideram que manter uma habitação adequada é uma das suas maiores preocupações.

Por outro lado, cerca de 75% dos inquiridos portugueses consideram que a carga fiscal imposta aos mais ricos devia ser agravada de modo a reforçar os apoios aos mais pobres. A par dos lusitanos, também os gregos, alemães e eslovenos têm essa opinião.

Tudo somado, 70% dos portugueses ouvidos pela OCDE acredita que o Governo não ouve, nem segue os desejos dos cidadãos e 80% considera mesmo que o Executivo poderia fazer mais.

Comentários ({{ total }})

Quase metade dos portugueses estão dispostos a pagar mais impostos para melhorar cuidados de saúde, diz a OCDE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião