“O sistema bancário é europeu em vida e nacional na morte”, diz Elisa Ferreira

Elisa Ferreira diz ser necessário que a União Europeia (UE) resolva o facto de um banco ser supervisionado a nível europeu e, depois, a fatura ir parar aos contribuintes do país onde opera.

A vice-governadora do Banco de Portugal (BdP) considera que se está a demorar demasiado tempo a completar a União Bancária. Além disso, Elisa Ferreira diz ser necessário que a União Europeia (UE) resolva o facto de um banco ser supervisionado a nível europeu e, depois, a fatura ir parar aos contribuintes do país onde opera.

“O sistema bancário é europeu em vida e nacional na morte”, afirmou a vice-governadora do BdP, durante a sua intervenção na conferência “Para onde vai a Europa?”, na Fundação Calouste Gulbenkian.

Elisa Ferreira referiu, ainda, a necessidade de a União Europeia se debruçar sobre alguns aspetos da União Bancária que podem, a seu ver, criar riscos no sistema financeiro. “É preciso ir aos detalhes para ver o que funciona e o que não funciona nas atuais regras de supervisão e resolução de bancos europeus”, referiu.

Ter decisões de resolução europeias com custos para os contribuintes dos países de origem dos bancos alvo da medida de resolução “não faz sentido”, disse Elisa Ferreira, defendendo um acelerar da União Bancária.

A União Bancária é composta por três pilares. O primeiro é o Mecanismo Único de Supervisão, que já está a operacional, a cargo do Banco Central Europeu (BCE), que supervisiona diretamente os principais bancos europeus, caso dos bancos portugueses Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP e Novo Banco.

O segundo pilar é o Mecanismo único de Resolução cuja função será resolver e reestruturar os bancos em risco de bancarrota e, por último, o Fundo de Garantia de Depósitos comum, o pilar onde o processo está mais atrasado, uma vez que vários países estão a levar entradas à sua concretização.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“O sistema bancário é europeu em vida e nacional na morte”, diz Elisa Ferreira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião