Portugal já desistiu da alta-velocidade, mas Bruxelas não

Uma das prioridades do próximo quadro comunitário deve ser a aposta no setor dos transportes, defende a Comissão Europeia. A ferrovia surge no topo seja transfronteiriça ou nas áreas metropolitanas.

Esperamos pelo momento em que Lisboa e Madrid estejam ligados por um comboio de alta velocidade. Está planeado há décadas“, desabafa o diretor da DG Regio. Rudolf Niessler, num encontro com jornalistas, esta terça-feira, sobre as orientações para o investimento e a política de Coesão em Portugal no período 2021-2027, sublinhou a necessidade de Portugal apostar mais na ferrovia, seja nas ligações transfronteiriças, seja nas áreas metropolitanas.

E se para Bruxelas o TGV “é um ponto que deve surgir”, nas palavras de Niessler, para Portugal, nas palavras de António Costa, o assunto é “tabu”. O primeiro-ministro disse, em entrevista ao jornal espanhol ABC, em fevereiro de 2018, que “a alta velocidade é um tema tabu na política portuguesa e vai sê-lo por muito tempo”. E acrescentou que “um dia” terá de se olhar para este tipo de rede ferroviária, que está a crescer na maior parte da Península Ibérica e na qual Portugal “estará de fora”.

Ora para que Portugal não fique de fora, a recomendação da Comissão Europeia é de que Portugal invista mais no setor dos transportes. “Portugal deve investir na ferrovia a dois níveis: as ligações transfronteiriças e nas áreas metropolitanas“, diz o diretor da DG Regio. Para Rudolf Niessler Portugal também deve apostar nas ligações a Espanha através do norte de Portugal. A nível das áreas urbanas é preciso reduzir a dependência do carro e “embora não haja uma solução simples”, a “beleza está na diversidade de soluções”, através da utilização de outros meios de transporte.

Portugal deve investir na ferrovia a dois níveis: as ligações transfronteiriças e nas áreas metropolitanas.

Rudof Niessler

Diretor da DG Regio

O “modelo tem mudar” porque Portugal “tem das taxas mais elevadas de utilização de carros na Europa: 80% de todos os quilómetros viajados são feitos de carro”, sublinha Niessler recordando uma estatística recente do Eurostat. “Portugal está muito além dos valores dos outros países. Isto deve mudar por isso sugerimos que a prioridade deve ser investir nos transportes.”

Mas há mais onde Portugal deve investir os cerca de 24 mil milhões de euros que Bruxelas lhe propõe atribuir para o pós-Portugal 2020 — um valor que ainda não sofreu alterações, apesar das críticas nacionais ao corte que a Comissão está a propor. Qualificações é um dos temas que surge no topo da agenda, até porque o país não pode ser competitivo se a mão-de-obra não for de alta qualidade. “Portugal tem um problema de adequação entre aquilo que o mercado necessita e as qualificações existentes”, sublinha Andriana Sukova, diretora-geral adjunta da DG Emprego. A responsável elogia os progressos feitos por Portugal nos últimos anos e sublinha que a necessidade de investir nas qualificações é transversal a todos os Estados membros. Mas se em Portugal “os números globais estão bem”, quando “vistos à lupa” há coisas que têm de ser melhoradas.

A Comissão defende a definição de objetivos para que depois se possam misturar fundos e modelos para as soluções encontradas. Mas há um ponto que está assente: a Comissão continua a insistir numa redução da taxa de cofinanciamento porque a Europa está a crescer e as taxas agora em vigor foram definidas num momento de crise. “Todos os países da Europa estão a crescer. A Europa regista o mais elevado nível de emprego de sempre e a taxa de desemprego também é a mais baixa de sempre (6,5%). Se isto não é um bom momento, não sei o que será“, ironizou Andriana Sukova.

A responsável reconhece que o tema continua a ser discutido, mas defende que a redução da taxa de cofinanciamento aumenta a “propriedade do Governo”. Um Governo que deve ainda tomar “a decisão difícil de onde não insistir”, alerta Niessler porque as necessidades são muitas e “os fundos só por si não chegam” e há que apostar onde eles possam fazer a diferença.

A Comissão pede ainda “uma concentração de fundos em alguns objetivos para se obter o melhor resultado possível desse investimento”, disse Rudolf Niessler sublinhando o crescimento inteligente como a prioridade da Política de Coesão e a área da inclusão social para o Fundo Social Europeu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal já desistiu da alta-velocidade, mas Bruxelas não

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião