Operação Éter: PJ realiza buscas na Câmara e Geoparque de Arouca

  • Lusa
  • 28 Março 2019

No âmbito da Operação Éter, que investiga contratações públicas pela Turismo do Porto e Norte, a PJ procedeu esta quarta-feira a buscas nas instalações da Câmara e no Geoparque de Arouca.

A Câmara Municipal e a Associação Geoparque de Arouca (AGA) revelaram esta quinta-feira que a Polícia Judiciária (PJ) realizou buscas nessas entidades no âmbito da Operação Éter, que investiga contratações públicas pela Turismo do Porto e Norte. Segundo revelou à Lusa uma fonte ligada ao município, cuja presidente também lidera a AGA por inerência do cargo, a PJ esteve na quarta-feira nas instalações de ambos os organismos.

No edifício da Câmara, a PJ acedeu “ao dossiê completo sobre a Loja Interativa de Turismo de Arouca” e, na sede administrativa do Geoparque, pediu outros documentos relativos ao processo. Segundo disse fonte da autarquia, “as diligências configuram-se como um procedimento normal decorrente da investigação à alegada viciação de procedimentos de contratação pública no âmbito da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte”.

Realçando que esse tipo de buscas “está a ter lugar em todos os municípios da área de influência do Turismo do Porto e Norte”, a mesma fonte referiu que a Câmara de Arouca se encontra “inteiramente disponível para prestar toda a colaboração que seja considerada pertinente” no âmbito desta investigação em curso sobre uma alegada viciação de procedimentos de contratação pública.

A Operação Éter implicou em outubro de 2018 a detenção de cinco pessoas ligadas ao Turismo do Porto e Norte, todas elas indiciadas, segundo a PJ, “por crimes de corrupção e participação económica em negócio em procedimentos de contratação pública” na região.

A investigação vem envolvendo “buscas domiciliárias e não domiciliárias em entidades públicas e sedes de empresas”, para apuramento de factos relacionados “com a presumível prática reiterada e continuada da viciação de procedimentos de contratação pública”, em valores que ascendem a cinco milhões de euros.

Segundo referiu, em outubro, fonte policial à Lusa, os ajustes diretos seriam concedidos por valores muito acima do mercado e, por vezes, sem que o serviço fosse prestado.

A investigação conduzida pela Diretoria do Norte da PJ determinou que, mediante a atuação concertada de quadros dirigentes da referida entidade regional de Turismo, existirá “um esquema generalizado de viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto, com o desiderato de favorecer primacialmente grupos de empresas, contratação de recursos humanos e utilização de meios públicos – com vista à satisfação de interesses de natureza particular”.

Além de Melchior Moreira, que, enquanto presidente do Turismo do Porto e Norte por altura dos alegados factos, se mantém detido em prisão preventiva, os outros quatro arguidos no processo são Isabel Castro, diretora operacional desse organismo turístico; Gabriela Escobar, jurista na mesma estrutura; Manuela Couto, administradora da agência de comunicação W Global Communication; e José Agostinho, da empresa de soluções interativas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Operação Éter: PJ realiza buscas na Câmara e Geoparque de Arouca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião