CUF volta atrás. Militares voltam a ser atendidos nos hospitais do Grupo José de Mello Saúde

  • ECO
  • 2 Abril 2019

O Grupo José de Mello Saúde voltou atrás na decisão de suspender o acordo que permitia aos militares serem atendidos nas clínicas CUF.

Os militares vão voltar a poder ser atendidos nos hospitais do Grupo José de Mello Saúde, depois de este ter alcançado um acordo com o Instituto de Ação Social das Forças Armadas – IASFA. A notícia foi adiantada esta terça-feira pela Renascença, citando um comunicado da IASFA. A CUF foi a primeira instituição a suspender os acordos com a Assistência da Doença aos Militares (ADM).

“O IASFA, I.P., informa que o Grupo José de Mello Saúde decidiu levantar a suspensão do acordo para a prestação de cuidados de saúde aos beneficiários do Subsistema Público de Assistência na Doença aos Militares (ADM), que estava prevista a partir de 1 de abril de 2019″, lê-se no documento da IASFA.

O Grupo José de Mello Saúde suspendeu o acordo para a prestação de cuidados de saúde a estes beneficiários esta segunda-feira, uma decisão que foi avançada à Renascença pelo presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA). Contudo, a situação acabou por ser revertida um dia depois, ao ser alcançado um acordo com a IASFA.

“Saudamos a decisão que é o corolário dos esforços que a nova direção do IASFA, I.P. tem vindo a envidar (…) junto dos grupos privados de prestação de serviços de saúde, designadamente com representantes do Grupo José de Mello Saúde e da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, que se revelaram decisivos para encontrar uma solução para as dívidas da Assistência na Doença aos Militares“, continua o documento da IASFA.

De acordo com a AOFA, citada pela Renascença, “a partir de 15 de abril o Grupo Luz Saúde deixará de atender militares”.

Comentários ({{ total }})

CUF volta atrás. Militares voltam a ser atendidos nos hospitais do Grupo José de Mello Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião