Estrangeiros compraram 13% das casas em Lisboa. Investiram 675 milhões de euros

No ano passado, os estrangeiros adquiriram 1.592 imóveis residenciais na ARU de Lisboa, o que representa cerca de 13% do total de transações. Ao todo, investiram mais de 300 milhões do que em 2017.

Lisboa é cada vez mais uma cidade apetecida entre os investidores estrangeiros. No ano passado, os estrangeiros adquiriram 1.592 imóveis residenciais na Área de Reabilitação Urbana (ARU) de Lisboa, o que representa cerca de 13% do total de transações. Ao todo investiram 675,6 milhões de euros, valor que compara com os 375 milhões de euros verificados em 2017. Franceses, chineses, brasileiros, britânicos e americanos continuam a ser os principais compradores.

De acordo com a Confidencial Imobiliário, o investimento representa um aumento de 80% em volume e de 67% em número de imóveis relativamente a 2017. “Tal dinâmica resultou no aumento da quota do investimento estrangeiro, que representa 28% do total de 2,39 mil milhões de euros investidos em habitação na ARU de Lisboa em 2018“, pode ler-se em comunicado.

Por operação, os compradores estrangeiros investiram em média um montante de 425,5 mil euros, o que se traduz num crescimento de 8%. Já em termos de nacionalidades, contabilizam-se compradores oriundos de 80 países diferentes, sendo que há cinco países que continuam a liderar o investimento internacional em habitação na ARU.

A maioria (55%) da quota no investimento estrangeiro vem de França (18%), China (14%), Brasil (8%), Reino Unido (7%) e Estados Unidos da América (7%).

Santo António é a freguesia que lidera as preferências

Entre as várias freguesias de Lisboa, Santo António foi aquela que registou o maior interesse dos compradores estrangeiros, concentrando 16% do investimento internacional em habitação no ano passado. Imediatamente a seguir ficou a freguesia de Santa Maria Maior (15%). Arroios, Misericórdia e Estrela foram, também, alvo de grande procura, registando 13%, 12% e 11%, respetivamente.

As freguesias de Alcântara, Alvalade, Beato e Campolide merecem, também, destaque. Ainda que apresentem quotas do total do investimento internacional mais reduzidas — inferiores a 3% — conseguiram captar três vezes mais capital do que em 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estrangeiros compraram 13% das casas em Lisboa. Investiram 675 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião