Nos Óscares do Imobiliário, o campus da Nova SBE de Carcavelos foi a estrela

Porque os melhores projetos imobiliários também devem ser premiados, os Óscares do Imobiliário voltaram a ser entregues. Hotel Vila Galé Collection Braga e Sottomayor Residências entre os vencedores.

Não são só os famosos que recebem Óscares, os projetos imobiliários também. Nesta 21.ª edição dos Óscares do Imobiliário, que decorreu esta quinta-feira, a estrela da noite foi o novo campus da Nova SBE de Carcavelos, que levou para casa os prémios de empreendimento do ano e melhor equipamento coletivo. Ainda entre os premiados, destaque para o Hotel Vila Galé Collection Braga, vencedor do Prémio Reabilitação Urbana.

São os prémios mais antigos do setor e foram entregues no Hotel Vila Galé Cascais pelo Magazine Imobiliário. Os nomeados estavam espalhados pelo país e, de acordo com a organização, superaram todas as expectativas, “o que demonstra o panorama positivo do mercado imobiliário em Portugal”. Distribuíram-se por quatro categorias — escritórios, habitação, equipamentos coletivos e turismo –, mas houve ainda outros quatro prémios.

Os vencedores estes Óscares do Imobiliário foram decididos por um júri composto por especialistas do setor: Paulo Silva, head of country da Savills, Almeida Guerra, administrador da Rockbuilding, Eduardo Abreu, partner da Neoturis, Juan Antequera, diretor-geral de imobiliário do Vilamoura World, o engenheiro Fernando Santos e os arquitetos João Paciência e Regino Cruz.

  • Escritórios: Edifício Fontes Pereira de Melo (FMP) 41

As obras arrancaram em maio do ano passado e, cerca de um ano depois, foi eleito o melhor edifício de escritórios do país. A torre de 17 andares, localizada entre a Avenida Fontes Pereira de Melo e a Avenida 5 de outubro, começou a ser promovida pela gestora de fundos ECS Capital e está prestes a passar para as mãos do novo proprietário. Os novos inquilinos já têm as malas prontas — KPMG e PLMJ. Avaliado em em cerca de 120 milhões de euros, este é já considerado um dos negócios do ano no setor imobiliário.

Nesta categoria, os finalistas eram: Edifício 818 (Ramalde), FPM41 (Lisboa), Sede Cooperativa Vigent Group (Trofa) e Urbo Business Center (Matosinhos).

Edifício Fontes Pereira de Melo 41Arestalfer
  • Habitação: Sottomayor Residências

É um dos maiores empreendimentos da capital, com um total de 97 apartamentos para alojamento turístico, de tipologias T0 a T5. Com jardins, piscina, estacionamento subterrâneo e três lojas, o Sottomayor Residências está localizado na zona do Marquês de Pombal e foi desenvolvido pela Coportgest – Companhia Portuguesa de Gestão e Desenvolvimento Imobiliário. Resultado de um investimento de 60 milhões de euros, ainda não estavam todos os apartamentos concluídos e 60% já tinham dono.

Nesta categoria, os finalistas eram: Barcelos Residence (Barcelos), Belas Clube de Campo/Lisbon Green Valley (Belas, Sintra), Conde 35 (Lisboa), Cordoeiros 30 (Lisboa), Douradores 168 (Lisboa), Mouzinho da Silveira 21 (Lisboa), Ouro Grand (Lisboa), Sottomayor Residências (Lisboa), Edifício Alferes Malheiro (Porto) e Villa Nature (Vilamoura).

Sottomayor Residências
  • Equipamentos Coletivos: Novo Campus da Nova SBE de Carcavelos (Prémio de Melhor empreendimento do ano)

As obras arrancaram em maio de 2017 e, dois anos depois, foi considerado o melhor empreendimento do ano. O novo campus da Nova SBE de Carcavelos contempla uma área de dez mil metros quadrados e mais de 30 espaços de ensino. Um projeto avaliado em 50 milhões de euros que contou com capital de vários investidores privados e, em parte, de uma campanha de fundraising.

Nesta categoria, os finalistas eram: Capela de Nossa Senhora de Fátima (Idanha-a-Nova), o Centro de Acolhimento Temporário – Polo Cáritas Ponta Delgada (S. Miguel, Açores), o Centro de Artes de Águeda, o Imaginarius – Centro de Criação de Arte e Espaço Público, o Campus de Carcavelos da Nova School of Business & Economics e a Embaixada do Egipto (Lisboa).

Campus da Nova SBE Carcavelos
  • Turismo: Maison Albar Hotels Le Monumental Palace

Na Invicta, o Maison Albar Hotels Le Monumental Palace venceu na categoria de turismo. A unidade hoteleira de cinco estrelas, pertencente à cadeia Maison Albar Hotels, nasceu da transformação do café antigo mais famoso do Porto desde 1930, o Café Monumental.

Nesta categoria, os finalistas eram: A Brasileira – Porto Pestana Hotel, Azoris Angra Garden Hotel (Angra do Heroísmo, Terceira), Hotel Vila Galé Collection Braga, Hotel Vila Galé Sintra Conference & Revival e Monumental Palace Hotel (Porto).

Hotel Le Monumental Palace
  • Prémio Reabilitação Urbana: Hotel Vila Galé Collection Braga

Nasceu da reabilitação do antigo hospital de São Marcos, pelas mãos da cadeia hoteleira Vila Galé, e é um imóvel de interesse público, datado de 1508. Localizado em Braga, abriu portas no verão de 2016 e conta com 123 quartos, dos quais 15 são suítes. Os hóspedes dispõem ainda de uma adega onde podem fazer provas de vinho, dois restaurantes, piscinas exteriores e um spa. Foi o vencedor do Prémio Reabilitação Urbana.

Hotel Vila Galé Collection Braga
  • Prémio Eficiência Energética e Menção Honrosa: Edifício Alferes Malheiro

Edifício Alferes Malheiro

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos Óscares do Imobiliário, o campus da Nova SBE de Carcavelos foi a estrela

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião