Portugal volta ao mercado. Quer emitir dívida a 10 e 18 anos

Leilão duplo acontece na próxima quarta-feira e tem um montante indicativo entre 750 milhões e mil milhões de euros, segundo o IGCP.

Portugal vai voltar ao mercado de dívida a 10 anos, depois ter se ter financiado com o juro mais baixo de sempre no mês passado. A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública — IGCP anunciou que irá realizar um leilão duplo, na próxima quarta-feira, de Obrigações do Tesouro (OT) a 10 e a 18 anos que poderá permitir-lhe obter até mil milhões de euros.

“O IGCP, E.P.E. vai realizar no próximo dia 10 de abril pelas 10h30 dois leilões das OT com maturidade em 15 de junho de 2029 e 15 de abril de 2037, com um montante indicativo global entre 750 milhões de euros e 1.000 milhões de euros“, anunciou esta sexta-feira, o instituto que gere a dívida pública.

No caso da dívida a 10 anos, a última colocação aconteceu a 13 de março. Na altura, o IGCP emitiu 862 milhões de euros a uma taxa de juro de 1,298%, ou seja, um novo mínimo histórico. Já a linha de OT a 18 anos será aberta com esta emissão.

A queda no custo da nova dívida acompanha a tendência de diminuição na yield dos títulos com a mesma maturidade em mercado secundário, que tem beneficiado da política monetária expansionista na Zona Euro e do reforço da confiança dos investidores internacionais em Portugal. Esta sexta-feira, o juro das OT a 10 anos negoceia nos 1,28%, tendo já chegado a tocar os 1,25% no mês passado.

O ministro das Finanças disse à Lusa que o Estado poupou 1.270 milhões de euros com as emissões de dívida desde setembro de 2017, altura em que Portugal voltou a ter uma notação de investimento. Os analistas consideram a margem para a redução nos juros está a ficar limitada, mas ainda veem espaço para melhorias no risco-país e no rating nacional.

(Notícia atualizada às 13h20)

Comentários ({{ total }})

Portugal volta ao mercado. Quer emitir dívida a 10 e 18 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião