Progressões de todas as carreiras custam 1.312 milhões de euros até 2021

Governo fez contas à despesa com as progressões nas carreiras. Entre 2019 e 2021, o Executivo espera gastar 1.312 milhões de euros com carreiras especiais e com o descongelamento já decidido antes.

O Governo fez contas à despesa com as progressões nas carreiras. Entre 2019 e 2021, o Executivo espera gastar 1.312 milhões de euros com carreiras especiais e com o descongelamento já decidido antes, revela um comunicado enviado pela Presidência do Conselho de Ministros.

Em curso estava já o descongelamento de carreiras, que entrou em vigor no início de 2018, mas que deixava de fora as carreiras especiais.

Só numa segunda fase, as medidas do Governo passaram a abranger as carreiras onde o tempo de serviço é relevante para a evolução na carreira. O primeiro passo foi dado com os professores, em relação aos quais o Governo aceitou que fossem recuperados dois anos, nove meses e 18 dias do tempo de serviço que tinha estado congelado entre 2011 e 2017. Agora, num terceiro momento, o Executivo decidiu fazer o mesmo para as restantes carreiras especiais da Função Pública, num modelo semelhante ao que foi usado para os professores.

Em comunicado, o Executivo apresenta o impacto orçamental que estas decisões sucessivas vão ter até 2021. A fatura para os cofres do Estado é de 1.312 milhões de euros entre 2019 e 2021, um valor que resulta da soma do gasto acumulado em cada um destes três anos, à medida que os trabalhadores vão reunindo as condições para progredir. Depois desse ano, esta despesa transforma-se num gasto permanente.

Tal como o quadro mostra, as progressões salariais vão representar 6,4% da massa salarial da Administração Pública, com os professores a representarem uma fatia significativa dessa despesa (39%), indicam as contas do Executivo.

Parte desta despesa já está incorporada nas metas orçamentais do Executivo. Quanto apresentou o Orçamento do Estado para 2019, os gastos com o descongelamento das progressões e com os dois anos, nove meses e 18 dias dos professores já tinha sido contabilizado, revelou o Governo.

Mas a parte correspondente às restantes carreiras especiais não estaria integrada nas contas do Orçamento, tendo em conta que nunca foi mencionada. No entanto, o Governo estimou esta sexta-feira que a decisão quanto às carreiras especiais (incluindo os professores) pesa apenas 40 milhões de euros nas contas de 2019.

O resto do custo para os anos seguintes deverá estar refletido no Programa de Estabilidade para 2019-2023 que o Governo envia este mês para a Comissão Europeia e que entrega e discute na Assembleia da República.

(Notícia atualizada)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Progressões de todas as carreiras custam 1.312 milhões de euros até 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião