Progressões das carreiras especiais vão custar 40 milhões só este ano. Será de 240 milhões a partir de 2021

As progressões das carreiras especiais vão custar, só este ano, 40 milhões aos cofres do Estado. O custo foi revelado, esta sexta-feira, pelo Executivo, em declarações aos jornalistas.

As progressões das carreiras especiais, que dependem da contagem do tempo de serviço e onde também estão incluídos os professores, vão custar, só este ano, 40 milhões de euros (brutos) aos cofres do Estado. O custo foi revelado, esta sexta-feira, pelo Executivo, em declarações aos jornalistas. A despesa será depois de mais 200 milhões de euros entre 2020 e 2021, estabilizando nos anos seguintes em 240 milhões de euros.

Na quinta-feira, o Governo aprovou em Conselho de Ministros um diploma que recupera 70% do tempo necessário para a progressão num módulo padrão das carreiras especiais da Função Pública. Essa medida aplica, assim, às demais carreiras especiais o racional que já tinha sido encontrado para o caso dos professores, mas difere na mecânica escolhida para os docentes.

Isto porque, ao contrário do que aconteceu com os professores, estes funcionários públicos verão o seu tempo recuperado em três tranches até 2021 (junho de 2019, junho de 2020 e junho de 2021). De acordo com a secretária de Estado do Emprego Público, essa modalidade de faseamento pode também ser escolhida pelos professores, se os visados considerarem esta opção mais vantajosa.

Se seguirem por este caminho de faseamento, os professores que iam progredir em 2020 conseguem, deste modo, antecipar o salto de escalão para 2019; aqueles que iam progredir em 2021 e 2022, passam a progredir em 2020. De acordo com a secretária de Estado Adjunto da Educação, para aderirem a esta modalidade os docentes têm de expressar esse desejo até 31 de maio deste ano juntos dos serviços do ministério da educação.

A propósito, o secretário de Estado do Orçamento salientou que estima que 30 mil professores progridam este ano, também à boleia deste diploma. Sem ele, a expectativa era de 13 mil progressões. No quadro geral das carreiras especiais da Função Pública, João Leão disse que devem progredir 60 mil funcionários públicos das carreiras especiais (incluindo os professores). Uma parte desses saltos já “ocorreria naturalmente”, a outra fica a dever-se a esta diploma que “mitiga os efeitos do congelamento entre 2011 e 2017”.

Já sobre a conjugação desta medida com as promoções, a secretária de Estado do Emprego Público deu mais alguns esclarecimentos sobre a “regra de proporcionalidade” já adiantada na quinta-feira. “Por exemplo, quem teve uma promoção em 2013, verá considerado o tempo remanescente, aplicando uma regra de proporcionalidade”, frisou Fátima Fonseca.

(Notícia atualizada às 16h24)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Progressões das carreiras especiais vão custar 40 milhões só este ano. Será de 240 milhões a partir de 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião