Familygate? “Em períodos pré-eleitorais a tendência é para o disparate”, diz Rui Rio

  • ECO
  • 8 Abril 2019

Líder do PSD assume que nenhum partido está imune à tendência de nomeação de familiares para cargos público, mas alerta que períodos pré-eleitorais são normalmente dados ao disparate.

Convidado de mais uma edição do ECO Talks, o presidente do PSD voltou a abordar a polémica das nomeações de familiares por parte dos diferentes governos, apontando que até ao momento ainda não identificou nenhuma “boa ideia” para resolver a questão, até porque em “períodos pré-eleitorais a tendência é para o disparate”, alertou. Ainda mais se o legislador for um dos partidos mais afetados pela polémica, como é o caso do PS.

“Em períodos pré-eleitorais a tendência normalmente é para o disparate. O legislador, ou seja os partidos, tenderá para o disparate… bater cada vez mais… E talvez neste momento o Partido Socialista seria até dos mais rigorosos para tentar limpar tudo isto que tem feito”, salientou Rui Rio.

“Não estou a ver [uma boa ideia para conter as nomeações de familiares], só mesmo pequenos ajustamentos. Porque por na lei: ‘não pode nomear familiares diretos'” não alteraria muito o cenário, afirmou. “O primeiro-ministro continuaria a poder nomear os mesmos ministros, já que nenhum deles é seu familiar direto.”

Apesar de considerar que esta tendência de nomeação de familiares é um ‘mal’ comum a todos os partidos, o líder do PSD identifica que esta prática está mais embrenhada na história dos socialistas.

“É uma cultura muito própria do PS, mais do que noutros partidos. O PS ao longo da sua história teve sempre uma lógica mais familiar, não propriamente de ‘familiar da família’, mas também da [família] do partido. É uma marca muito mais forte no PS, ainda que os outros partidos não lhe estejam imunes”, apontou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Familygate? “Em períodos pré-eleitorais a tendência é para o disparate”, diz Rui Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião