Há mais funcionários no SEF. Contratações registaram aumento superior a 30%

  • Lusa
  • 8 Abril 2019

O ministro da Administração Interna afirmou que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras "é uma prioridade estratégica" do Governo.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, disse esta segunda-feira que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) “é uma prioridade estratégica” do Governo e registou, nesta legislatura, um aumento superior a 30%” de funcionários, considerando tratar-se do “maior crescimento de sempre” em meios humanos.

“O SEF é uma prioridade estratégica da atuação do Governo e, na área da Administração Interna, foi o setor que teve nesta legislatura o maior crescimento proporcionar de dotação de meios humanos. Estamos a falar de um crescimento superior a 30%”, disse aos jornalistas Eduardo Cabrita durante a cerimónia de início do estágio de 68 novos elementos recrutados no âmbito de um concurso interno para a admissão de inspetores da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF.

O governante afirmou que este é o terceiro curso de formação a partir de concursos internos da administração pública, permitindo que 55 inspetores tenham reforçado, no início de abril, os aeroportos para dar resposta ao crescimento de passageiros.

Em 2017 e 2018, cerca de 90 novos inspetores foram admitidos no SEF ao abrigo de um concurso interno na Função Pública. O ministro destacou também o primeiro curso externo de inspetores desde 2003 que está a decorrer, devendo a formação começar este ano.

O aviso de abertura do concurso externo para a admissão de 100 novos inspetores para o SEF foi publicado em Diário da República em 14 de dezembro de 2017.

O Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, discursa durante a cerimónia de receção dos 68 estagiários aprovados no concurso interno para a admissão de inspetores da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) na sede da instituíção em Barcarena, Sintra.Tiago Petinga/Lusa 8 Abril, 2019

“O que eu posso garantir é que os aeroportos nunca tiveram tantos inspetores”, disse o ministro, avançando que neste momento está a decorrer um trabalho com a ANA – Aeroportos de Portugal “para que a empresa faça as adaptações estruturais que permitam aos inspetores as melhores condições de trabalho”.

Questionado sobre as críticas da ANA ao SEF, que acusou o mau funcionamento deste serviço de segurança de ser um entrave à internacionalização do país, Eduardo Cabrita respondeu que “a ANA tem preocupações comerciais, o SEF garante a segurança dos portugueses e a segurança de Portugal, garante que Portugal seja um destino procurado pelos turistas com uma imagem de segurança”.

O ministro destacou também “a atuação muito ativa” do SEF na regularização de imigrantes e nas áreas de prevenção do tráfico de seres humanos, além de ter uma presença forte no plano externo, nomeadamente na agência europeia de controlo de fronteiras Frontex.

Como exemplo, referiu que as autorizações de residência a estrangeiros emitidas pelo SEF passaram de 25 mil em 2015 para 85 mil em 2018.

Os 68 estagiários vão agora iniciar uma primeira fase teórica de dois meses, seguida de exercício tutelado de funções no aeroporto de Lisboa, nos meses de junho a setembro, permitindo “um reforço de efetivo naquela estrutura aeroportuária nos meses de maior fluxo de passageiros”, de acordo com o SEF.

Os novos inspetores têm, depois, uma nova fase formativa nos meses de outubro e novembro e, em dezembro, voltam a reforçar as fronteiras aéreas, novamente com o objetivo de garantir um maior número de inspetores nesta altura do ano, refere o SEF.

Os 68 novos elementos encerram a formação teórica em janeiro de 2020, e nos meses de fevereiro e março terminam o exercício tutelado de funções nas unidades orgânicas de investigação e fiscalização. Este estágio probatório tem a duração de cerca de um ano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais funcionários no SEF. Contratações registaram aumento superior a 30%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião