Presidente da ANA diz que mau funcionamento do SEF é grande entrave à internacionalização

  • Lusa
  • 21 Fevereiro 2019

O presidente da ANA apontou as filas no SEF para entrar em Lisboa como um dos obstáculos que os turistas enfrentam, e indicou que a situação pode piorar com o Brexit.

O presidente da ANA – Aeroportos de Portugal, José Luís Arnaut, disse esta quinta-feira que o grande entrave à internacionalização do país é o mau funcionamento do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no aeroporto de Lisboa.

“Temos atualmente uma média de 90 minutos de fila no SEF para entrar em Lisboa, com uma ocupação média das cabines de cerca de 50%. Por isso, os turistas chegam e o seu primeiro contacto com o país é uma hora de espera numa fila”, disse o responsável.

José Luís Arnaut falava nesta quinta-feira em Lisboa num evento organizado pela Associação Industrial Portuguesa, integrando um painel sobre internacionalização e o futuro do setor do turismo, no qual participavam também o presidente da TAP, Miguel Frasquilho, o diretor financeiro do Pestana Hotel Group, Pedro Santos Silva, e o presidente da Câmara Municipal do Montijo.

O responsável lembrou que a ANA tem como grande preocupação a recetividade dos turistas, tendo em conta que “95% dos turistas estrangeiros chegam a Portugal de avião” e, por isso, há “uma grande responsabilidade”, embora seja gestora apenas da infraestrutura (aeroporto).

Há depois uma série de fatores que não são controlados pela ANA, continuou, é o caso do ‘handling’ (assistência nos aeroportos) que está concessionado e as entidades públicas que “funcionam muito mal”. “Temos o grande entrave à internacionalização que é o SEF”, disse o responsável.

José Luís Arnaut lembrou que a TAP aumentou em 10% os seus passageiros no ano passado. “E o que aumentou o SEF? Nada… até vão fazer greve para a semana porque querem um parque de estacionamento mais perto”, acrescentou.

O presidente da TAP, Miguel Frasquilho, concordou igualmente que os constrangimentos provocados pelo SEF são um dos grandes problemas externos que afeta a pontualidade dos voos da companhia aérea e referiu que entre os desafios ao setor está a incerteza em relação ao ‘Brexit’.

O tema da saída do Reino Unido da União Europeia surgiu como um novo pretexto para José Luís Arnaut voltar a criticar o funcionamento do SEF. “O ‘Brexit’ pode criar uma situação dramática nos aeroportos. Em Lisboa há 18 voos diários vindos do Reino Unido e estes passageiros vão ter que passar pelo SEF”, disse.

Pior do que isto, continuou o presidente da ANA, é o Algarve, que recebe 80% dos seus voos oriundos do Reino Unido e onde não há condições físicas ou humanas para o SEF responder a este aumento de atividade. “Lisboa e Porto vai ser dramático, Faro vai ser caótico“, avisou. “O SEF vai ter que trabalhar um bocadinho mais, vamos ver se estão prontos para isto…”, finalizou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente da ANA diz que mau funcionamento do SEF é grande entrave à internacionalização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião