Grupo Pestana investe quatro milhões na primeira pousada na Madeira

O Pestana Churchill Bay é a primeira pousada do Grupo Pestana na Madeira e vai abrir portas a 7 de junho. Inspirada em Churchill, a unidade hoteleira está situada em frente à baía de Câmara de Lobos.

O Grupo Pestana está a afinar os últimos pormenores para abrir na ilha da Madeira a primeira pousada. É em Câmara de Lobos que está a nascer o Pestana Churchill Bay, resultado de um investimento de quatro milhões de euros, e que abrirá portas a 7 de junho. Com características de um hotel de quatro estrelas, esta unidade hoteleira é totalmente inspirada no ex-primeiro ministro britânico Churchill, que chegou a passar férias na ilha em 1950.

Tudo começou em 2015 quando a Câmara Municipal de Câmara de Lobos lançou um concurso público para a requalificação do icónico edifício histórico em frente à baía daquele município. Na altura, o fundador do grupo hoteleiro, “Dionísio Pestana, apaixonou-se por este ambiente”, contou Paulo Prada, administrador do grupo, esta quarta-feira, durante a apresentação da pousada em Câmara de Lobos. O concurso público tinha uma renda anual mínima de 50 mil euros, mas a cadeia hoteleira concorreu com uma oferta de 100 mil euros e venceu, ficando com a concessão do edifício durante 50 anos.

Pestana Churchill Bay, Câmara de Lobos, MadeiraRita Neto/ECO

A pousada é inspirada no ex-primeiro-ministro britânico Winston Churchill que, em janeiro de 1950, passou 12 dias de férias na ilha da Madeira. De acordo com o site do Turismo da Madeira, Churchill chegou à ilha no dia 1 e, no dia 8, visitou Câmara de Lobos onde, “num recanto, à entrada da vila, montou o cavalete e a tela, sentou-se e pintou a baía e o ilhéu”. Um momento que ficou imortalizado numa fotografia de Raul Perestrelo, apelidando esse local de Miradouro Winston Churchill.

Todos os quartos têm numa das paredes a famosa pintura de Churchill, cujos direitos de autor o Grupo Pestana comprou, assim como de umas frases do ex-primeiro-ministro que estão espalhadas pelos corredores da pousada. Além disso, na entrada da unidade hoteleira estará ainda uma escultura de Churchill a pintar — semelhante à fotografia tirada nessa altura –, encomendada pelo Grupo ao artista plástico madeirense Martim Velosa, responsável pela escultura de Cristiano Ronaldo para o Museu CR7.

Escultura de Churchill a pintar — semelhante à fotografia tirada nessa altura — realizada por Martim Velosa.

O Pestana Churchill Bay representa um investimento de quatro milhões de euros, revelou Paulo Prada, e criará cerca de 40 postos de trabalho, “de preferência trabalhadores residentes em Câmara de Lobos”. Contará com 57 quartos, um restaurante, piscina exterior aquecida, um ginásio e spa, e uma esplanada. A receção ficará num edifício ao lado, prestes a ser terminado.

“A Madeira não podia ficar de fora” desta “nova geração de pousadas” inauguradas pelo Grupo Pestana sob a marca Pousadas de Portugal, disse Luís Castanheira Lopes, presidente da Pousadas de Portugal. “Faz todo o sentido apostar na Madeira, um destino com forte ligação às origens do grupo e que nos permite alargar o contacto com novos mercados”.

Para o presidente da câmara de Câmara de Lobos, “este é um dia histórico e marcante para a cidade”, uma vez que se trata de uma unidade hoteleira que “respeita a tradição e a cultura”. Para Pedro Coelho, o Pestana Churchill Bay vem “criar riqueza e emprego” à região e, também por isso se mostra satisfeito dado que não foram tapadas quaisquer vistas das casas à volta e não houve qualquer reclamação por parte dos residentes.

A nova pousada do Grupo Pestana está quase pronta para receber hóspedes, mas só abre portas a 7 de junho, sendo a inauguração dia 26 de junho. Até 2023, a marca Pousadas de Portugal vai inaugurar cinco novas pousadas, instaladas sempre em edifícios/monumentos/regiões que sejam testemunho do património cultural nacional. Ainda este mês será inaugurada a terceira pousada em Óbidos e, mais para o verão, em Vila Real de Santo António.

(A jornalista viajou até à Madeira a convite do Grupo Pestana)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo Pestana investe quatro milhões na primeira pousada na Madeira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião