Portugal prepara mega-concurso de lítio. Matos Fernandes diz que pode ser “já em maio”

  • ECO
  • 10 Abril 2019

João Matos Fernandes diz que já foi feita uma pré-seleção dos candidatos à prospeção de lítio em terras nacionais. Contrato vai garantir que o valor acrescentado fica no país.

Com a procura por baterias a disparar, nomeadamente por causa dos automóveis elétricos, o lítio é altamente apetecível. E Portugal tem muita desta matéria-prima, estando prestes a ser lançado o concurso para a emissão de licenças de prospeção. João Matos Fernandes diz que o Governo quer avançar já em maio.

“Queremos muito lançar este concurso já em maio, sendo que já houve uma pré-seleção”, disse João Matos Fernandes no Parlamento, citado pela Reuters. “É muito claro e fica explícito no contrato de prospeção e pesquisa que, quando houver um contrato de concessão, esta só será atribuída a quem construir uma refinaria de lítio ou se associe a um projeto (de refinaria) já existente“, adiantou.

Matos Fernandes salientou que o Governo “não quer promover um mero projeto de fomento mineiro de andar à procura do minério para que depois ele possa ser exportado em bruto”. “O valor acrescentado, que resulte da extração, tem de ficar em Portugal (…) São muitas as pretensões para atribuição de licenças de concessão”, sublinhou.

De acordo com a Reuters, um relatório do Governo de março de 2017 avançava com um valor de investimento inerente às áreas então identificadas da ordem dos 3.254 milhões de euros apenas para os 23 pedidos que existiam então, tendo estes aumentado para cerca de 40. Ou seja, o investimento poderá ser muito superior.

Portugal, que se situou no top 6 dos maiores produtores de lítio do mundo em 2017 com 400 toneladas anuais exclusivamente para a indústria cerâmica, recentemente fez novas descobertas de reservas, das maiores da Europa Ocidental, que estão a atrair players globais para o leilão que, espera o Governo, aconteça já no próximo mês.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal prepara mega-concurso de lítio. Matos Fernandes diz que pode ser “já em maio”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião