Bruxelas vai monitorizar desde hoje ameaças em investimento estrangeiro na UE

  • Lusa
  • 10 Abril 2019

Novo regulamento da União Europeia para monitorizar a entrada de capital estrangeiro entrou em vigor esta quarta-feira, prevendo que Bruxelas possa intervir perante “ameaças ".

O novo regulamento da União Europeia (UE) para monitorizar a entrada de capital estrangeiro entrou em vigor esta quarta-feira, prevendo que Bruxelas possa intervir perante “ameaças à segurança ou ordem pública”, mas a última palavra é sempre dos Estados-membros.

Em comunicado hoje divulgado, a Comissão Europeia assinala que o novo quadro regulatório europeu, que ainda terá de ser adotado pelos países da UE, “será fundamental para salvaguardar a segurança e a ordem pública da Europa no que toca aos investimentos diretos estrangeiros na União”.

Isto porque as novas regras preveem a criação de “um mecanismo de cooperação em que os Estados-membros e a Comissão possam trocar informações e suscitar preocupações relacionadas com investimentos específicos”.

Previsto está, também, que “Comissão emita pareceres quando um investimento representa uma ameaça à segurança ou ordem pública de mais de um Estado-membro ou quando um investimento possa prejudicar um projeto ou programa de interesse para toda a UE, como o Horizonte 2020 ou o Galileo”, respetivamente fundos comunitários para investigação e inovação e o sistema de navegação por satélite da União.

Este novo regulamento vai, ainda, “incentivar a cooperação internacional na seleção dos investimentos, incluindo troca de experiências, melhores práticas e informações sobre questões de interesse comum”, ao mesmo tempo que “estabelece requisitos para os Estados-membros que queiram manter ou adotar um mecanismo de monitorização a nível nacional”.

Ainda assim, é aos Estados-membros que cabe a “última palavra sobre se uma determinada operação de investimento deve ou não ser autorizada no seu território”, realça Bruxelas na nota.

Citado no comunicado, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, sublinha ser “necessário haver escrutínio sobre as aquisições de empresas estrangeiras que visam ativos estratégicos da Europa”.

“Quero que a Europa permaneça aberta aos negócios, mas, como já disse várias vezes, não somos livres comerciantes ingénuos”, notou.

Proposto pela Comissão Europeia em 2017, o regulamento teve aval final no Parlamento Europeu e do Conselho da UE (onde estão representados os Estados-membros) em março deste ano.

Nos próximos 18 meses, a Comissão e os Estados-membros da UE vão tomar as medidas necessárias para assegurar que o regulamento está totalmente adotado até outubro de 2020.

No final de 2017, as ações de investidores de países terceiros na UE ascendiam a 6,295 mil milhões de euros, gerando cerca de 16 milhões de empregos diretos, segundo dados de Bruxelas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas vai monitorizar desde hoje ameaças em investimento estrangeiro na UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião