Vêm aí novos números de contribuinte. Agora começados por “3”

Os novos contribuintes terão um NIF começado por "3" a partir de junho ou julho. A AT emitiu o aviso para que as entidades comecem a adaptar os seus sistemas informáticos.

Vem aí uma nova geração de Números de Identificação Fiscal (NIF). Os números começados pelo algarismo “2” estão a acabar e a próxima série de números deverá começar a ser atribuída pelo Fisco algures em junho ou julho. Os novos NIFs vão começar pelo algarismo “3”, mantendo o formato “3XXX XXX XXX”.

Esta novidade só se aplica aos novos registos e apenas para pessoas singulares. Surge depois de ter sido esgotada a série começada por “1” e numa altura em que a série começada por “2” está prestes a chegar o fim. A informação foi confirmada pelo ECO junto de fonte do Ministério das Finanças.

A novidade não tem impacto significativo para os novos contribuintes, mas poderá dar origem a problemas nos atuais sistemas informáticos. Muitos podem não estar preparados para assumir um NIF começado por “3” (os atuais só começam por “1”, “2” ou, no caso de pessoas coletivas, “5”, “6” e “9”). O Fisco reconhece a sensibilidade da mudança e deixou o alerta, numa nota informativa publicada no Portal das Finanças.

“Atualmente, a AT [Autoridade Tributária] tem vindo a atribuir NIFs da gama 2 aos contribuintes singulares. Contudo, considerando que é expectável que a AT comece, brevemente (junho ou julho do corrente ano), a atribuir NIFs da gama 3, procede-se à divulgação deste facto para que as entidades interessadas possam efetuar a adaptação atempada dos respetivos sistemas informáticos”, escreve a Direção de Serviços de Registo de Contribuintes. O comunicado tem a data de 8 de abril.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vêm aí novos números de contribuinte. Agora começados por “3”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião