Jerónimo Martins nomeia Ana Luísa Virgínia para nova CFO. Pedro Soares dos Santos fica pelo menos até 2021

Assembleia geral reconduziu Pedro Soares dos Santos, fez duas alterações no conselho de administração e nomeou ainda uma nova chief financial officer (um cargo que estava vazio há dois anos).

A Jerónimo Martins tem uma nova responsável financeira que põe fim a um vazio de dois anos no cargo. Os acionistas da retalhista aprovaram Ana Luísa Virgínia para o cargo de chief financial officer (CFO) do grupo, na assembleia geral desta sexta-feira. Pedro Soares dos Santos foi reconduzido à frente do conselho de administração até 2021.

“A Jerónimo Martins informa que Ana Luísa Virgínia, a partir do dia de hoje [sexta-feira], passará a exercer a função de Responsável Financeiro (CFO) do Grupo Jerónimo Martins, assumindo a responsabilidade pela monitorização da área de Relações com Investidores“, anunciou o grupo em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Na empresa há mais de 25 anos, Ana Luísa Virgínia desempenhava desde outubro de 2015 funções de chief corporate center officer e de secretária da sociedade. Anteriormente, tinha sido chief of staff do CEO. A responsável irá agora substituir Javier van Engelen, que abandonou o cargo em março de 2017.

Pedro Soares dos Santos também foi reconduzido como administrador-delegado e presidente do conselho de administração do grupo até 2021. A administração ganha também dois nomes novos: Elizabeth Bastoni e Maria Angela Holguin Cuellar. As duas novas administradoras vêm substituir Hans Eggerstedt e Henrique Soares dos Santos, que abandonam o board.

Os restantes administradores — Andrzej Szlezak, António Pedro Viana-Baptista, Artur Stefan Kirsten, Clara Christina Streit, Francisco Seixas da Costa e Sérgio Tavares Rebelo — mantêm as posições. Quanto a cargos, João Nuno Magalhães foi nomeado secretário do Conselho de Administração e Carlos Martins Ferreira como secretário suplente, para o triénio 2019-2021.

Além das mudanças na liderança, a cotada aprovou também nesta assembleia geral de acionistas as contas relativas a 2018 e o valor a distribuir pelos acionistas. A Jerónimo Martins vai pagar dividendos no próximo dia 9 de maio e a ação vai negociar sem direitos dois dias depois. No total, vai distribuir 204,2 milhões de euros pelos acionistas, metade dos 401 milhões de euros dos lucros registados no ano passado. Esta quinat-feira a retalhista fechou a ganhar 1,08% para 13,98 euros.

“Jerónimo Martins, SGPS, S.A. informa que, na Assembleia Geral Anual de Acionistas que se reuniu hoje [quinta-feira], foi aprovada a distribuição de um dividendo bruto de 32,5 cêntimos por ação (excluindo as ações próprias em carteira)”, anunciou a empresa em comunicado. “O pagamento do dividendo ocorrerá no próximo dia 9 de maio de 2019, sendo que as ações passarão a ser transacionadas sem direito ao mesmo dois dias úteis antes dessa data, ou seja, no dia 7 de maio de 2019″, acrescentou.

A retalhista irá, assim, retomar a sua habitual política de dividendos, após dois anos em que distribuiu a totalidade dos lucros pelos acionistas. Este valor corresponde a um payout de 50% dos resultados líquidos. A Jerónimo Martins fechou 2018 com lucros de 401 milhões de euros, mais 4,1% que no ano anterior, com as vendas a aumentarem 6,5% para 16.276 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins nomeia Ana Luísa Virgínia para nova CFO. Pedro Soares dos Santos fica pelo menos até 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião