Organismos públicos estão a esconder dados essenciais de contratos e culpam RGPD

  • ECO
  • 11 Abril 2019

Dando como pretexto o Regulamento Geral de Proteção de Dados, vários organismos públicos estão a optar por ocultar dados de contratos públicos. CNPD diz que opção não faz sentido.

Várias entidades estatais estão a optar por esconder dos contratos públicos que celebram os nomes dos responsáveis que assinam esses mesmos contratos, apontando como razão as normas previstas no Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) que, todavia, não obriga a tal opacidade, diz a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), autoridade de controlo nacional para efeitos do RGPD.

Segundo um levantamento feito pelo Jornal de Negócios (acesso pago), nos 100 maiores contratos celebrados este ano por organismos públicos, mais de um terço não inclui os nomes dos responsáveis que celebraram os contratos, ou seja, nem do organismo e tampouco da empresa contratada. E do conjunto de 37 contratos com informação parcial, 29 ocultam toda a informação pessoal e oito surgem parcialmente rasurados. Estas opções por parte das entidades públicas anulam o objetivo para que foi criada a obrigação da divulgação pública destes contratos: a transparência.

A CNPD, ouvida pelo Negócios, explicou que esta opção dos organismos públicos não faz sentido, já que “não há razões para alterar aquilo que deve ser disponibilizado publicamente, daquilo que deve ser resguardado”. A porta-voz da CNPD vai ainda mais longe, afirmando que “a proteção de dados pessoais é para ser levada a sério, mas não pode servir como desculpa para não publicitar informação necessária ao controlo democrático da atividade das entidades públicas.”

Visão completamente oposta tem o Instituto dos Mercado dos Públicos, do Imobiliário e da Construção, responsável pelo Portal BASE, site onde os contratos têm obrigatoriamente de ser publicados em nome da transparência. E provavelmente reside na interpretação deste instituto a razão para que muitos organismos estejam a ocultar informações que deviam ser públicas dos contratos que vão celebrando.

Segundo explica o IMPIC no próprio site de divulgação dos contratos, “as entidades adjudicantes, antes de submeter os contratos no Portal, devem expurgar todos os dados pessoais neles constantes, com exceção da identificação do contraente público e do cocontratante”. Contudo, não é ao IMPIC que cabe a interpretação do RGPD, mas sim à Comissão Nacional de Proteção de Dados, a autoridade de controlo nacional para efeitos do RGPD.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Organismos públicos estão a esconder dados essenciais de contratos e culpam RGPD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião