Procura mundial de petróleo aumenta apesar da desaceleração económica

  • Lusa
  • 11 Abril 2019

A procura mundial de petróleo vai atingir os 100,6 milhões de barris por dia este ano, de acordo com as previsões da Agência Internacional de Energia. Já a oferta deverá cair.

A Agência Internacional de Energia (AIE) estima que a procura mundial de petróleo aumente para 100,6 milhões de barris por dia este ano, mais 1,4 milhões de barris do que em 2018, apesar da desaceleração económica.

No relatório mensal de abril sobre o mercado petrolífero, divulgado esta quinta-feira, a AIE também prevê que a oferta deverá cair, moderadamente devido ao corte da produção da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e da Venezuela.

A AIE sublinha que o risco da desaceleração da economia mundial sobre a procura é menor do que o esperado, mas reconhece “sinais contraditórios sobre a saúde da economia mundial e visões divergentes” da incidência desta na evolução do mercado petrolífero.

Nos dois primeiros meses deste ano a procura na China, Índia e Estados Unidos aumentou cerca de um milhão de barris por dia, sublinha a AIE. Este aumento foi compensado pela queda registada no quarto trimestre do ano passado no conjunto das economias desenvolvidas agrupadas na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), a primeira verificada desde finais de 2014.

Esta travagem foi confirmada no primeiro trimestre deste ano, devido à desaceleração na Europa, mas deverá ser recuperada ao longo do ano sobretudo impulsionada pelos Estados Unidos, sublinhou a AIE. A oferta baixou em 340.000 barris por dia em março devido aos cortes impostos pela OPEP, impulsionados pela “forte” queda da produção na Venezuela.

As extrações da OPEP diminuíram em 550.000 barris diários em março para um total de 30,1 milhões de barris, uma travagem liderada pela Arábia Saudita, que registou o nível mais baixo em dois anos. Em contrapartida, a produção fora da OPEP vai crescer em 2019 em 1,7 milhões de barris, contra o acréscimo de 2,8 milhões de barris de 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Procura mundial de petróleo aumenta apesar da desaceleração económica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião