Disney espalha magia por Wall Street. Ações disparam mais de 11%

Gigante do entretenimento vai concorrer com a Netflix e dispara em bolsa. Os lucros recorde do JP Morgan também estão a impulsionar as ações norte-americanas.

Wall Street abriu esta sexta-feira em alta, impulsionado pela nova aposta da Disney e pelos lucros recorde do JP Morgan. A gigante do entretenimento revelou esta sexta-feira mais detalhes sobre a plataforma de streaming Disney+ para concorrer com a Netflix e a Apple no mercado dos conteúdos não lineares.

O serviço vai ser lançado a 12 de novembro, com a empresa a alavancar no catálogo a vasta oferta de conteúdos que tem no portefólio. Entre eles vão estar séries da Marvel e títulos da saga Star Wars, como é o caso de Star Wars Clone Wars e de uma nova série baseada nas personagens Cassian Andor e no droid K2-SO, do filme Rogue One: A Star Wars Story. As ações da empresa disparam 11,5% para 129,94 dólares.

Os resultados do JP Morgan deram início à earnings season em Wall Street e ficaram acima das expectativas dos analistas. O banco norte-americano registou o melhor primeiro semestre de sempre — com um lucro de 9,1 mil milhões de dólares — ainda graças à subida nos juros de referência da Reserva Federal norte-americana ao longo do ano passado, numa altura em que se temia que o travão na normalização da política monetária viesse a penalizar as contas da banca.

O Wells Fargo também apresentou contas, tendo aumentado o lucro em 14% para 5,86 mil milhões de dólares, no primeiro trimestre do ano, face ao período homólogo. O índice financeiro S&P 500 abriu a ganhar 0,52% para 2.903,45 pontos, com o JP Morgan a disparar 4,36% para 110,86 dólares por ação e o Wells Fargo a valorizar 0,86% para 48,15 dólares.

Já o índice industrial Dow Jones avança 0,85% para 26.366,12 pontos e o tecnológico Nasdaq sobe 0,45% para 7.982,91 pontos. “O mercado tem estado estagnado há algum tempo e quando há um bom relatório, como o do JP Morgan, ajuda ao sentimento e [os resultados] irão provavelmente ser o principal foco nas próximas três semanas”, afirmou Robert Pavlik, estratega chefe de investimento e gestor de portefólio sénio da SlateStone Wealth LLC, à Reuters.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Disney espalha magia por Wall Street. Ações disparam mais de 11%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião