Tesouro quer emitir até 1.250 milhões de euros em dívida a curto prazo na próxima semana

Numa altura de quedas nos juros da dívida portuguesa, o IGCP vai regressar ao mercado para um leilão duplo de bilhetes do Tesouro a três e 11 meses.

Portugal vai voltar ao mercado de dívida na próxima semana. A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP anunciou esta sexta-feira que vai realizar, na próxima quarta-feira, um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro (BT) a três e 11 meses, numa altura em que os juros pagos por Portugal têm caído em todas as maturidades.

“O IGCP vai realizar no próximo dia 17 de abril pelas 10h30 dois leilões das linhas de BT com maturidades em 19 de julho de 2019 e 20 de março de 2020, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros“, anunciou o IGCP, em comunicado.

O último leilão de títulos com esta maturidade aconteceu em fevereiro. Na altura, o IGCP emitiu 850 milhões de euros em BT que vence em janeiro de 2020, com uma taxa de juro negativa em 0,363% e uma procura 2,34 vezes superior à oferta. Já na maturidade mais curta, o Tesouro colocou 150 milhões de euros em BT, tendo conseguido um juro negativo de 0,389% e uma procura foi 6,03 vezes superior à oferta.

Portugal tem beneficiado da tendência de queda nos juros das dívidas soberanas da Zona Euro (impulsionada pela política expansionista do Banco Central Europeu), bem como do interesse de vários investidores institucionais no país, especialmente após as subidas no rating. Nas obrigações do Tesouro, a yield das obrigações a 10 anos negoceiam esta sexta-feira nos 1,172% e o risco-país caiu esta manhã para mínimos de 11 meses.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tesouro quer emitir até 1.250 milhões de euros em dívida a curto prazo na próxima semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião