Tráfego nos aeroportos portugueses da Vinci cresce 6,2% no primeiro trimestre

Aeroportos portugueses da Vinci registaram mais de onze milhões de passageiros entre janeiro e março. Vinci prepara expansão do aeroporto de Lisboa e abertura do Montijo.

Os aeroportos portugueses controlados pela Vinci registaram um crescimento de 6,2% no total de passageiros no primeiro trimestre do ano, período em que a empresa francesa contabilizou 11,014 milhões de passageiros em Lisboa, Porto, Faro, Madeira e Açores. Já nos doze meses terminados em março último, a Vinci aponta para um crescimento de 5,8% no total de passageiros em Portugal.

Em nota divulgada sobre a evolução do tráfego na rede Vinci, a concessionária francesa detalha que na operação portuguesa, e durante o primeiro trimestre do ano, “o crescimento do tráfego foi particularmente acentuado em Faro (+ 12,3%) e Porto (+ 9,5%), refletindo a contínua popularidade do país entre os turistas estrangeiros. No hub de Lisboa, o tráfego cresceu 4,2%”.

No comunicado, a Vinci enaltece o crescimento no aeroporto Humberto Delgado, que ocorreu apesar “das atuais limitações de capacidade”, recordando que “para acomodar a evolução do tráfego até que a concessão termine em 2063”, a empresa assinou com o governo “um acordo para financiar a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, tanto pela extensão do aeroporto de Lisboa existente como pela abertura de um novo aeroporto civil no Montijo, a 25 quilómetros do centro da cidade”.

Em termos individuais, a Vinci contabilizou 6,25 milhões de passageiros em Lisboa, 2,6 milhões no Porto, um milhão em Faro, 731 mil na Madeira e 408 mil nos Açores. O aeroporto da capital representa assim mais de metade do total dos passageiros que passaram pelos aeroportos da Vinci em Portugal.

Com aeroportos em França, Japão, Chile, Cambodja, Estados Unidos, Brasil, Reino Unido ou República Dominicana, no portfólio da Vinci só mesmo a operação japonesa supera os registos da portuguesa. A Vinci fechou o primeiro trimestre com 12,58 milhões de passageiros no Japão.

Considerando todas as suas operações, a Vinci aponta que “o tráfego nas plataformas geridas ” por si cresceu 6,4% no primeiro trimestre de 2019 face ao período homólogo, com 47,6 milhões de passageiros processados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tráfego nos aeroportos portugueses da Vinci cresce 6,2% no primeiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião