Grupo Barraqueiro tem combustível para “mais um ou dois dias”

  • Lusa
  • 16 Abril 2019

As empresas do grupo de transportes Barraqueiro não são abastecidas desde segunda-feira. A companhia já só tem combustível para "mais um ou dois dias".

O Grupo Barraqueiro tem combustível para “mais um ou dois dias no máximo”. Se a greve dos motoristas de pesados de mercadorias se prolongar, admite “suprimir serviços públicos de transportes”, disse fonte da empresa.

“Podemos suportar mais um ou dois dias no máximo”, disse à Lusa o diretor com o pelouro da comunicação, Luís Cabaço Martins, adiantando que as empresas do grupo estão “sem ser abastecidas” desde segunda-feira, quando começou a greve.

O Grupo Barraqueiro “está muito preocupado com a situação” e, segundo Luís Cabaço Martins, “corre o risco de suprimir serviços públicos se a situação não for resolvida rapidamente”.

O Grupo Barraqueiro integra as empresas Barraqueiro Oeste, Boa Viagem, Mafrense, Ribatejana, Eva Transportes, Frota Azul, Rodoviária do Alentejo, Rodoviária de Lisboa, Rodoviária do Tejo, Henrique Leonardo Mota Lda, Translagos, Trevo-Transportes Rodoviários de Évora e Marques Barraqueiro, que asseguram serviços públicos de transporte no país, de acordo com a página da internet do grupo.

A greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, que começou à meia-noite de segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica, tendo sido impugnados os serviços mínimos definidos pelo Governo.

Entretanto, a portaria que efetiva a requisição civil dos motoristas de matérias perigosas foi publicada esta terça-feira em Diário da República e produz efeitos até ao dia 15 de maio.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo Barraqueiro tem combustível para “mais um ou dois dias”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião