Lucros da Netflix surpreenderam. Mas número de subscritores desiludiu

Apesar de o lucro e as receitas da empresa, registados no primeiro trimestre, terem superado as expectativas, as estimativas do número de subscritores deixaram os investidores desiludidos.

Os lucros e as receitas da Netflix subiram no primeiro trimestre, acabando mesmo por ficar acima das expectativas. Contudo, a empresa deixou os investidores desiludidos depois de ter apresentado projeções abaixo do esperado relativamente ao número de subscritores. Os mercados esperavam que se alcançassem os 150 milhões de assinantes, mas tal não deverá acontecer.

Entre janeiro e março deste ano, a plataforma de streaming registou um resultado líquido de 344,1 milhões de dólares (304,6 milhões de euros), o equivalente a 0,76 dólares (0,67 euros) por ação, de acordo com a Reuters (conteúdo em inglês). Estes valores comparam com os 290,1 milhões de dólares registados em igual período do ano anterior e, para este ano, os investidores esperavam uma média de 0,57 dólares por ação.

Já nas receitas atingiu-se um total de 4,52 mil milhões de dólares (quatro mil milhões de euros), comparando com os 3,70 mil milhões de dólares (3,28 mil milhões de euros) observados período homólogo. Os mercados esperavam uma média de 4,5 mil milhões de dólares.

Apesar destes resultados acima do previsto, a Netflix desiludiu ao revelar o número de subscritores, diz a Reuters. A plataforma arrecadou mais 9,6 milhões de assinantes em todo o mundo, um recorde trimestral na história da empresa, totalizando 148,86 milhões. Mas, tanto a empresa como os analistas esperavam mais: em média, mais 8,94 milhões, o suficiente para chegar aos 150 milhões.

“O que está a deixar os investidores nervosos é o facto de haver sinais de desaceleração no crescimento dos subscritores em todo o mundo”, diz Haris Anwar, analista sénior da Investing.com, citado pela agência de notícias. “Isso torna-se mais acentuado pela ameaça iminente da concorrência da Disney e da Apple”.

No primeiro trimestre, a empresa anunciou ainda que somou 7,86 milhões de subscritores premium em todo o mundo, um valor superior aos 7,14 milhões esperados. Nos Estados Unidos, o número total de assinantes cresceu em 1,74 milhões, mais do que os 1,57 milhões esperados.

Após apresentar estes resultados, as ações da empresa desvalorizam cerca de 1% em Wall Street esta terça-feira, cotando nos 355,02 dólares, mas chegaram a afundar mais de 9%. Contudo, já estão a recuperar e somam 3,04% para 359,46 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da Netflix surpreenderam. Mas número de subscritores desiludiu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião